China propõe fundo de US$20 bi para infraestrutura em países latino-americanos, diz Dilma

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira que a China propôs um fundo para países da América Latina e Caribe para o financiamento na área de infraestrutura, após reunião entre diversos países da região e o presidente Chinês, Xi Jinping, em Brasília.

REUTERS

17 de julho de 2014 | 20h19

Segundo Dilma, que passou os últimos dias reunida com diversos chfes de Estado por conta da reunião do Brics – grupo formado por Brasil, China, Índia, Rússia e África do Sul -- e participou do encontro entre representantes da América Latina e Caribe e Xi, o fundo deve ter um capital inicial de 10 bilhões de dólares.

“Eles propuseram fazer isso imediatamente para estar pronto no ano que vem”, disse a presidente a jornalistas no Palácio Itamaraty.

Os chineses ofereceram ainda, de acordo com Dilma, uma linha especial de crédito para países da Celac- Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos —que “pode chegar até 10 bilhões de dólares.

Além do fundo e da linha de crédito, ficou acertada, na reunião desta quinta-feira a constituição do Fórum América Latina, Caribe e China. O encontro serviu ainda para os países acertarem a constituição de um fundo de cooperação sino-latino-americano-caribenho, no valor de 5 bilhões de dólares. Segundo Dilma, ainda serão definidas as áreas a que será destinado esse fundo.

A presença do presidente chinês em Brasília para a conversa com os países latino-americanos teve um enorme simbolismo político. A China tem interesse em investimentos na região, sobretudo na área de infraestrutura e deu seus primeiros passos de aproximação desses países nesta quinta.

Brasil e China assinaram diversos atos de cooperação e acordos energéticos, financeiros e industriais, incluindo a ampliação de linhas de crédito de 7,5 bilhões de dólares para a Vale e a compra de 60 aviões de passageiros da Embraer . [ID:nL2N0PS1ZC]

(Por Maria Carolina Marcello)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICADILMAFUNDOCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.