China publica diretrizes para comércio internacional

O Conselho Estatal da China prometeu tornar a taxa de câmbio mais flexível como parte de uma série de diretrizes anunciadas nesta madrugada para ajudar o comércio internacional. O gabinete do governo disse que irá ampliar os movimentos do yuans para os dois lados e permitir que as forças do mercado tenham uma atuação maior na formulação da taxa.

AE, Agencia Estado

15 de maio de 2014 | 01h17

"As atuais condições de comércio internacional são severas e complicadas. Duros esforços são necessários para atingir a meta de crescimento da balança comercial no ano", afirmou o Conselho Estatal, em documento. O tom do texto é muito semelhante ao das diretrizes divulgadas no ano passado, reforçando uma retórica que já vem sendo utilizada, incluindo a promessa de manter a moeda "estável, a um nível razoável e equilibrado".

O documento de hoje também inclui promessas para ajudar empresas exportadoras com redução de impostos e melhor qualidade na oferta de crédito. Promessas semelhantes feitas no ano passado falharam em guiar a China para a meta de crescimento no comércio internacional.

O anúncio ocorre em um momento no qual analistas pedem ações mais agressivas por Pequim para melhorar a atividade econômica, em meio a sinais de desaceleração. O governo, até o momento, adotou apenas passos modestos para ajudar o crescimento, com funcionários do governo insistindo que não irão recorrer a estímulos de curto prazo. O Secretário do Tesouro dos EUA, Jack Lew, cobrou nesta semana uma flexibilização maior no yuan e criticou a falta de transparência no regime cambial. Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacomérciocâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.