finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

China reafirma política sobre iuan após comentários de Obama

A China reafirmou nesta terça-feira sua política de manter a estabilidade do iuan em um nível razoável e equilibrado, após o presidente norte-americano, Barack Obama, afirmar que discutirá o câmbio quando visitar Pequim.

REUTERS

10 de novembro de 2009 | 07h12

Questionado sobre os comentários de Obama, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Qin Gang, disse que a China continuará incrementando o mecanismo do câmbio com uma visão de gradualmente tornar o iuan mais flexível.

Qin acrescentou que a China espera que os Estados Unidos, como a economia mais importante do mundo, persigam uma política fiscal estável para manter o dólar firme e garantir seu próprio crescimento e o de outras nações.

"Quero deixar claro que os Estados Unidos é a entidade econômica número um no mundo", afirmou em uma entrevista regular a jornalistas.

"Nós esperamos que... os Estados Unidos possam superar as dificuldades trazidas pela crise financeira internacional e, ao mesmo tempo, manter a sustentabilidade de sua política monetária no médio e longo prazos."

Obama disse à Reuters em uma entrevista em Washington que levantaria a questão do iuan, que muitos economistas e industriais dos EUA consideram abaixo do valor em que deveria estar, quando chegar à China na próxima semana.

Mas Obama também disse que os dois países têm o mesmo interesse de ajudar a reequilibrar a economia global, de modo a garantir um crescimento sustentável. Essa visão foi ecoada por Qin.

"Se você me perguntar como as relações entre os dois países estão agora, minha primeira resposta é: as economias da China e dos Estados Unidos estão relacionadas mutuamente, integradas, dependentes uma da outra e ficando mais próximas a cada dia."

Há, no entanto, tensões entre os dois países. O setor manufatureiro dos EUA reclama que Pequim mantém o valor do iuan artificialmente baixo para tornar as exportações mais baratas e os produtos norte-americanos mais caros aos consumidores chineses.

Alguns economistas dizem que isso provocu um desequilíbrios na economia mundial, por contribuir para grandes déficits comerciais nos EUA e superávit na China.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINACAMBIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.