Nicolas ASFOURI / AFP
Nicolas ASFOURI / AFP

China silencia sobre encontro Xi-Trump no G20, mas diz estar aberta a conversas

Nenhum encontro cara a cara foi realizado desde 10 de maio, dia em que Trump elevou as tarifas sobre uma lista de 200 bilhões de dólares de bens de consumo chineses para 25%

Reuters, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2019 | 11h06

PEQUIM - A China está aberta a mais conversas comerciais com Washington, mas não tem nada a anunciar sobre uma possível reunião entre os líderes chinês e norte-americano durante a cúpula do G20 deste mês, disse o Ministério das Relações Exteriores nesta segunda-feira, 10.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou várias vezes que está se preparando para se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, na cúpula de Osaka, no final de junho, mas a China não confirmou.

No último sábado, 8, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que o encontro entre os líderes tem alguns paralelos com sua cúpula de Buenos Aires, em dezembro, que levou Washington a adiar um aumento de tarifas enquanto os dois lados retomavam as negociações.

O porta-voz da chancelaria, Geng Shuang, em declarações em um boletim diário à imprensa em Pequim, recusou novamente uma confirmação do encontro. “Se houver uma notícia concreta sobre isso, a China a divulgará no devido momento”, disse Geng.

Quanto à disputa comercial e às conversas a respeito, a posição chinesa é muito clara, acrescentou. “A China não quer travar uma guerra comercial, mas não teme uma. Se o lado norte-americano estiver disposto a fazer consultas iguais, nossa porta está aberta. Se o lado norte-americano insistir em escalar o atrito comercial, reagiremos com firmeza e lutaremos até o fim.”

Agora que a cúpula de Osaka de 28 e 29 de junho se aproxima, Trump se prepara para impor tarifas de 25% sobre virtualmente todas as importações chinesas até agora poupadas na guerra tarifária bilateral. Elas se aplicariam a uma lista de 300 bilhões de dólares de bens de consumo, inclusive celulares, computadores e roupas.

A cúpula de Buenos Aires abriu caminho para cinco meses de conversas que visavam a encerrar a disputa comercial. Mas as negociações desmoronaram no início de maio, e os EUA acusaram os chineses de recuar de compromissos já assumidos.

Nenhum encontro cara a cara foi realizado desde 10 de maio, dia em que Trump elevou as tarifas sobre uma lista de 200 bilhões de dólares de bens de consumo chineses para 25% - o aumento que havia adiado após a reunião na capital argentina.

Desde então, uma retórica agressiva e ameaças comerciais entre os dois países aumentaram constantemente, especialmente depois que os EUA impuseram sanções rígidas à Huawei, a maior empresa de equipamentos de telecomunicação da China. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.