FOTO EPITACIO PESSOA/ESTADAO
FOTO EPITACIO PESSOA/ESTADAO

China substituirá soja dos EUA por grãos do Brasil e outros países

Com a mudança devido a guerra comercial entre Pequim e Washington, a China pode ficar sem a oleaginosa em 2019, aponta a Jisuan, empresa chinesa do setor

Reuters

04 Setembro 2018 | 08h24

A China substituirá quase inteiramente suas importações de soja dos Estados Unidos por grãos brasileiros e de outras origens na próxima temporada, mas poderá ficar sem a oleaginosa no início de 2019, disse Guo Yanchao, vice-presidente do Jiusan Group, nesta terça-feira, 4.

As importações do Brasil saltarão para 71,06 milhões de toneladas, com o restante vindo da Argentina, Canadá, Rússia e outros países, disse Guo em uma conferência do setor.

Mas os estoques podem acabar até fevereiro ou março do ano que vem, quando a oferta de soja do Brasil é limitada, disse o executivo.

A previsão da empresa é uma das mais pessimistas sobre o impacto da guerra comercial entre Washington e Pequim para os agricultores norte-americanos.

As importações dos Estados Unidos, que normalmente ocupam o segundo lugar entre os maiores fornecedores da China, vão cair para apenas 700 mil toneladas na temporada 2018/19 a partir deste mês, disse Guo Yanchao, vice-presidente do Jiusan Group.

Isso se compara a 27,85 milhões de toneladas de soja em grão importada nos EUA no ano anterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.