China surpreende e corta depósito compulsório de bancos

O banco central da China reduziu a taxa de depósito compulsório dos bancos pela primeira vez em quase três anos nesta quarta-feira, para aliviar as restrições de crédito e estimular a atividade na segunda maior economia do mundo.

REUTERS

30 de novembro de 2011 | 10h11

O corte de 0,50 ponto percentual leva o compulsório a 21 por cento, contra o nível recorde anterior de 21,5 por cento, liberando capitais que podem ser usados em empréstimos a empresas.

"É uma medida surpreendente, o mercado não estava esperando que o banco central cortasse o compulsório tão rápido", disse Shi Chenyu, economista do Banco Industrial e Comercial da China.

"A medida manda uma mensagem clara de que o banco central está pronto para relaxar sua posição de política monetária."

O BC chinês, que já aliviou restrições de crédito para ajudar pequenas empresas, prometeu ajustar sua política se necessário. A nova taxa de compulsório entra em vigor em 5 de dezembro.

Os bancos da China vinham sofrendo com problemas de liquidez nas últimas semanas, depois da ampliação da base para calcular o depósito compulsório.

O corte de 0,50 ponto foi o primeiro desde dezembro de 2008, marcando uma mudança de política após uma série de medidas de aperto ano passado, que tinham objetivo de combater a inflação. A alta dos preços ao consumidor atingiu a máxima em três anos de 6,5 por cento em julho.

Desde então, porém, a inflação esfriou para 5,5 por cento em outubro, enquanto o crescimento econômico desacelerou: o Produto Interno Bruto (PIB) chinês se expandiu 9,1 por cento no terceiro trimestre sobre o ano passado, a menor taxa desde o segundo trimestre de 2009.

(Reportagem de Kevin Yao e Zhou Xin)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINACOMPULSORIOATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.