carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

China vai crescer mais que 8%, dizem analistas

Previsão oficial é descartada por especialistas, que sustentam que expansão chinesa, puxada por estímulo oficial e crédito bancário, deve ser de até 9%

Cláudia Trevisan, PEQUIM, O Estadao de S.Paulo

22 de agosto de 2009 | 00h00

O ritmo de expansão da economia chinesa vai acelerar para 8,5% no terceiro trimestre, segundo previsão divulgada ontem pelo Centro de Informação do Estado, organismo de pesquisas da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento, o equivalente local do Ministério do Planejamento.Depois de atingir 6,1% nos primeiros três meses do ano, o índice subiu para 7,9% no trimestre seguinte, em relação a igual período do ano passado. A expansão se deu sob impulso do pacote de estímulo de US$ 584 bilhões anunciado pelo governo em novembro e da espetacular expansão no crédito bancário - mais de US$ 1 trilhão nos primeiros sete meses do ano.Antes mesmo de a previsão oficial para o terceiro trimestre ser divulgada, alguns analistas já haviam revisto para cima suas projeções de crescimento O Citibank espera agora expansão de 8,7%, enquanto o Goldman Sachs aposta em 9,4%. A meta de 8% fixada pelo governo para 2009 parece cada vez mais conservadora. São raros os analistas que esperam índices inferiores e as previsões para 2010 são ainda mais positivas. O Morgan Stanley prevê 9% de expansão em 2009 e 10% no próximo ano.Sob o impacto da crise global, o crescimento chinês desacelerou de 13% em 2007 para 9% no ano passado. A economia atingiu o fundo do poço no fim de 2008, mas reagiu a partir do segundo trimestre de 2009, graças ao pesado estímulo oficial.As evidências de que a política expansionista do primeiro semestre chegou ao fim provocaram quedas na Bolsa de Xangai no início da semana passada, mas os investidores recuperaram o entusiasmo nos dois últimos dias de pregão, quando as ações se valorizaram 6,21%.Os financiamentos bancários caíram de US$ 220,6 bilhões em junho para US$ 52,4 bilhões no mês seguinte. A previsão dos analistas é que o volume de novos créditos gire em torno US$ 65 bilhões ao mês até o fim do ano, patamar mais próximo do registrado em 2008.A agência de notícias Bloomberg afirmou ontem que as autoridades chinesas vão impor aos bancos mudanças contábeis que, na prática, reduzirão a quantidade de recursos disponíveis para empréstimos.Mas ninguém espera um aperto drástico da política monetária e a maioria dos analistas prefere falar em "acomodação" e "ajuste". Nas previsões divulgadas ontem, o Centro de Informação do Estado ressaltou que a política monetária deverá continuar frouxa no segundo semestre, já que os preços estão em queda e não há risco de inflação.Mesmo com a expectativa de menor liquidez, os analistas do Morgan Stanley esperam que a Bolsa de Xangai mantenha trajetória de alta e chegue ao patamar de 4.000 pontos dentro de 12 meses, o que significaria valorização de pouco mais de 30% em relação aos níveis atuais.A Standard & Poors também espera recuperação do mercado, ainda que não descarte queda adicional de 5% para realização de lucros, depois da forte alta registrada até julho. A agência acredita que o índice da Bolsa de Xangai poderá estar em 3.300 pontos no fim do ano.O Morgan Stanley afirma que a oferta de recursos para especulação com ações vai diminuir, mas ressalta que haverá liquidez suficiente para financiar o crescimento da economia e a operação das empresas.Além disso, os analistas do banco sustentam que o lucro das companhias está em trajetória de recuperação. O lucro operacional de 706 empresas que divulgaram resultados aumentou 50% no segundo trimestre deste ano ante o primeiro, diz relatório do Morgan Stanley.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.