China vai liderar recuperação, diz Bird

Banco Mundial diz que 50% da retomada será puxada por emergentes

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

24 de junho de 2009 | 00h00

Os países emergentes vão liderar a recuperação da economia mundial em 2010, mesmo que a expansão ainda seja modesta. A previsão é do Banco Mundial (Bird) que, no início da semana, já havia revisto para baixo a taxa de crescimento global para 2009. Segundo os cálculos da entidade, pelo menos metade do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do mundo no próximo ano ocorrerá graças aos emergentes. Só a China será responsável por 25%.   Acompanhe online a decisão sobre juro nos EUAEm 2009, o mundo deve sofrer uma contração de 2,9%. Já em 2010, a alta seria de 2%. Metade dessa expansão será puxada pelos países em desenvolvimento. "A produção industrial dos países emergentes começará a se recuperar de forma mais rápida que a produção nas economias ricas", afirmou Mick Riordan, um dos principais economistas do Bird. "Estamos convencidos de que serão os países emergentes que vão liderar e puxar a volta do crescimento mundial em 2010."Para este ano, as estimativas são de que a economia chinesa seja a única com potencial de atenuar o tombo do PIB mundial. A recuperação dos emergentes tem sido acompanhada com especial atenção pelo Bird, já que esta será a primeira crise a apresentar tal fenômeno. "A crise nasceu nos países ricos e serão eles os que mais levarão tempo para sair dela", disse Riordan. "Não estamos dizendo que os países emergentes não sofrerão. Mas o que estamos vendo é que já há um sinal de recuperação claro nesses mercados", afirmou. "Isso é, sem dúvida, um novo fenômeno na economia mundial." E a tendência permanecerá em 2011, quando também metade da expansão do PIB mundial ocorrerá graças aos países emergentes. A estimativa é de que o crescimento seja de 3,2%. Nos primeiros dias da crise, a esperança era de que, pela primeira vez, os países em desenvolvimento pudessem passar pela turbulência sem arranhões. Isso não ocorreu e pôs por terra a tese do descolamento entre as economias emergentes e ricas. O Bird adverte, porém, que o crescimento dos emergentes não ocorrerá graças às exportações, como vinha ocorrendo na última década. "Em 2010, o crescimento dos emergentes ocorrerá apenas graças ao aumento do consumo doméstico", disse Riordan. "É isso que irá provocar uma alta no PIB." Para 2009, o banco estima que o PIB brasileiro sofra uma contração de 1,1%. Já em 2010 teria um crescimento de 2,5%, mesmo assim, bem abaixo da China e da Índia. A economia da China deve se expandir 6,5% em 2009 e a da Rússia deve ter contração de 7,5%. Para a economia da Índia, a estimativa é de que haja ampliação de 5,1%. Já para os países ricos, as projeções são sombrias. Nos Estados Unidos, a queda no PIB será de 3% em 2009, enquanto a queda no Japão será de de 6,8% e de 4,5%, na zona do euro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.