carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

China vai liderar saída da crise na Ásia em 2010, diz analista

País vai crescer entre 7,5% e 8% este ano e entre 8% e 8,5% em 2010; Índia também terá forte recuperação

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

13 de agosto de 2009 | 10h24

Todas as grandes economias da Ásia vão crescer no próximo ano, lideradas pela China, conforme a região sai da crise global, afirmou a agência de rating Standard & Poor's. Em conferência por telefone, o economista-chefe para Ásia Pacífico da S&P, Subir Gokarn, disse que a China vai crescer entre 7,5% e 8% este ano - praticamente em linha com as estimativas do governo chinês - e entre 8% e 8,5% em 2010, com a Índia também contribuindo fortemente para a recuperação asiática.

 

Veja também:

especialESPECIAL: Dólar, o fim de uma era?

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

Por outro lado, a S&P prevê que a economia do Japão poderá ter contração entre 6% e 6,5% este ano, antes de se recuperar e crescer entre 0,8% e 1,3% em 2010.

 

A Índia deve crescer entre 5,8% e 6,3% este ano, e entre 6,8% e 7,3% no próximo ano, afirmou Gokarn. Mas ele ponderou que a produção não leva em conta qualquer impacto do período de monção atual em que as chuvas foram muito fracas. Ele disse ser muito cedo para avaliar o impacto da monção na economia da Índia e acrescentou que a S&P vai revisar a questão dentro de algumas semanas.

 

As pressões inflacionárias na região provavelmente continuarão baixas por enquanto, mas podem aumentar nos próximos meses, conforme os preços das commodities sobem "além dos níveis justificados por fatores de oferta e demanda", disse Gokarn.

 

O economista também alertou que, embora os pacotes de estímulo tenham servido para estabilizar as economias, a atual expansão fiscal está colocando pressão nos juros no mercado, "o que pode impedir uma recuperação necessária nos gastos privados". Gokarn afirmou que os governos devem tentar remover o estímulo da economia nos próximos meses e permitir que o investimento privado assuma um papel maior.

 

Para os EUA, a S&P prevê contração de 3% este ano, disse Gokarn, sem oferecer uma estimativa para 2010. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
CriseChina2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.