IARA MORSELLI/ESTADÃO
IARA MORSELLI/ESTADÃO

Chinesa Fosun compra controle da gestora Rio Bravo

Operação é a primeira aquisição no Brasil do grupo chinês, dono de participações no Club Med e Cirque de Soleil

Renato Carvalho, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2016 | 17h30

O Grupo Fosun, gestora de investimentos de origem chinesa com operações em diversos países, anunciou na noite de sexta-feira a aquisição do controle acionário da Rio Bravo Investimentos. A operação faz parte da estratégia do Fosun de aumentar sua presença em países emergentes e é o primeiro investimento do grupo na América Latina.

A aquisição da gestora brasileira, que administra mais de R$ 11 bilhões, não teve valor divulgado e foi antecipada pela coluna Direto da Fonte, de Sônia Racy. Segundo apurou a coluna, os três fundadores – Paulo Bilyk, Mario Fleck e Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e colunista do Estado – vão permanecer como sócios minoritários e o apetite da Fosun no mercado brasileiro não deve parar por aí.

Com o negócio, a Rio Bravo passará a compor a rede global do grupo chinês. A empresa informa que serão preservados os atuais produtos e a carteira de negócios e haverá expansão para novas linhas operacionais a partir de novas oportunidades e sinergias.

De acordo com Guo Guangchang, presidente da Fosun, “o Brasil é geograficamente um canal que liga a América Latina e a Ásia. Estamos muito satisfeitos em anunciar que a aquisição da Rio Bravo é um marco importante na estratégia da Fosun de estar presente nas maiores economias emergentes”.

Segundo Mario Fleck, presidente da Rio Bravo, “além da expansão na América Latina, a associação com o Grupo Fosun é uma oportunidade para oferecer aos nossos clientes institucionais e individuais no Brasil um maior espectro de produtos financeiros e novas possibilidades de investimento.”

O fechamento e a implementação da aquisição de controle deverão acontecer uma vez verificadas certas condições estabelecidas no contrato firmado entre as partes.

Bilionário. Fundador da Fosun, Guo Guangchang, que figura entre as 30 maiores fortunas da China, deverá se encontrar com o presidente Michel Temer na próxima quarta-feira, segundo apurou a coluna Direto da Fonte.

O grupo chinês, um dos maiores conglomerados privados do país, vale cerca de US$ 13 bilhões na bolsa da China e tem cerca de US$ 50 bilhões em ativos sob gestão. Entre os investimentos da companhia estão desde companhias médicas até o grupo de turismo francês Club Med e a companhia circense Cirque de Soleil, com sede no Canadá e mais de 4 mil funcionários.

Aquisições em série. O negócio no Brasil encerrou uma semana movimentada para a Fosun. O grupo chinês anunciou na quinta-feira a compra de uma fatia de 86% na farmacêutica indiana Gland Pharma em uma operação que pode chegar a US$ 1,26 bilhão. A maior parte das ações pertencia ao fundo americano KKR.A compra foi feita por meio da Shanghai Fosun, farmacêutica que faz parte do grupo chinês. O negócio é a maior aquisição chinesa de uma empresa na Índia.

A operação mais vultosa até então havia sido liderada pelo gigante chinês do e-commerce Alibaba que, em conjunto com um grupo de investidores, fez no ano passado um aporte de US$ 1 bilhão nas indianas Paytm, de pagamentos, e na varejista online Snapdeal.com.

Em entrevista em maio deste ano à Reuters, Guo afirmou que depois de investir mais de R$ 30 bilhões na compra de imóveis, companhias de seguros e empresas de saúde principalmente nos mercados desenvolvidos, o grupo está mais atento à busca de oportunidades em mercados como Rússia, Índia, Brasil e países da África.

Trajetória. O Grupo Rio Bravo Investimentos iniciou suas atividades no ano 2000 e é líder no mercado brasileiro de gestão de fundos imobiliários, atuando também em private equity, fundos de ações, fundos de créditos, fundos de infraestrutura, consultoria financeira e gestão de carteiras de múltiplas classes de ativos.

Com sede em São Paulo e um escritório em Recife, a empresa tem cerca de 100 profissionais – dos quais 19 sócios da empresa. / COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.