Marcelo Camargo/Agência Brasil - 23/4/2019
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 23/4/2019

Chineses mostram interesse no mercado brasileiro de proteína, fruta, grãos e lácteos

Tereza Cristina se reuniu nesta quinta-feira com ministro chinês, em Pequim para discutir questões comerciais; no Vietnã, ministra discutiu venda de bovinos

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2019 | 13h15
Atualizado 17 de maio de 2019 | 15h49

Os chineses vão analisar propostas apresentadas pelo Brasil para abertura de mercado para proteínas, frutas, grãos e lácteos. A informação é da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que se reuniu nesta quinta-feira, 16, com o ministro da Administração Geral de Aduanas da China, Ni Yuefeng, conforme comunicado da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que tem representantes na missão empresarial brasileira que encerrou visita àquele país.

O diretor de Relações Internacionais da CNA, Gedeão Pereira, informou que "a ministra foi muito clara e nesse momento nos deixa bastante otimistas com o futuro porque a China precisa do Brasil para se levantar e o Brasil precisa da China para vender seus produtos".

Conforme a CNA, ao fim da reunião ficaram estabelecidos prazos para análise dos formulários entregues pelo Brasil para habilitação das 78 plantas frigoríficas que pretendem exportar carne bovina, suína e de aves para os chineses.

Além das proteínas, os chineses ficaram interessados no farelo de soja e planejam fazer uma visita de inspeção ao Brasil no segundo semestre. "Tudo foi colocado na mesa e vai ter prazo para acontecer. Eu saio daqui com bastante esperança de que essas decisões e os bons resultados virão agora ao longo desses dois ou três próximos meses", disse a ministra.

Tereza Cristina também participou nesta quinta-feira, em Pequim, da reunião de plano de trabalho entre a China Agricultural University (CAU) e a Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), que mantêm convênio para desenvolvimento conjunto de pesquisas. Na reunião, conforme informações do ministério, cada instituição se comprometeu em definir três projetos de pesquisa em agropecuária. Alguns temas sugeridos pela ministra e o professor da Esalq, Sérgio De Zen, foram equivalência de protocolos veterinários científicos e vigilância sanitária, respectivamente. O secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do ministério, Fernando Camargo, propôs apoio da Embrapa aos projetos.

O reitor da CAU, Sun Qixin, destacou o interesse em instalar um centro de tecnologia Brasil-China e desenvolver pesquisas na área sanitária de bovinos.

Vietnã

A ministra da Agricultura reuniu-se também nesta sexta-feira em Hanói com o primeiro-ministro do Vietnã, Nguyen Xuân Phúc. Segundo a pasta, os dois trataram da abertura de mercado para alguns produtos. "Brasil quer vender melão e bovinos vivos para o Vietnã e os vietnamitas desejam exportar camarão e peixes", informou.

Ainda conforme a Agricultura, como as tratativas "estão em processo final", a abertura para esses produtos pode ser anunciada em 30 dias. O primeiro-ministro propôs que o Vietnã seja porta de entrada para os produtos agropecuários do Brasil e do Mercosul no continente asiático. "A proposta foi bem-recebida por Tereza Cristina", disse a pasta na nota.

"Nessa troca de visitas entre delegações brasileiras e vietnamitas, podemos colocar como um dos temas a atração de investidores brasileiros para fazer como se fosse um hub de entrada de produtos para atingir esse mercado asiático", destacou a ministra. 

A missão brasileira seguirá em seguida para a Indonésia, com agendas no Ministério da Agricultura dos dois países. O retorno ao Brasil está previsto para segunda-feira, 20, à noite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.