coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Chipre não está pedindo por mais dinheiro, afirmam autoridades

O Chipre não está pedindo um resgate maior da zona do euro e do Fundo Monetário Internacional (FMI) além dos 10 bilhões de euros já definidos, mas avalia usar antecipadamente fundos estruturais da União Europeia (UE) para ajudar o crescimento do país, disseram autoridades da UE.

Reuters

12 de abril de 2013 | 07h36

Ministros das Finanças da zona do euro deram apoio político aos 10 bilhões de euros em empréstimos para a ilha mediterrânea nesta sexta-feira, e afirmaram que não há planos nem pedidos para elevar esse volume.

O presidente cipriota, Nicos Anastasiades, afirmou a repórteres nesta sexta-feira que vai enviar uma carta ao presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, e ao presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, para que receba assistência extra dada a situação econômica ruim da ilha.

Nesta sexta-feira, o governo alemão afirmou que a contribuição de 10 bilhões de euros da UE e do FMI para o resgate do Chipre não é negociável.

(Reportagem de Annika Breidthardt, Luke Baker e Jan Strupczewski em Dublin e Alexandra Hudson e Stephen Brown em Berlim)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHIPREDUBLIN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.