Chips ainda são vendidos em banca de jornal e camelôs

Apesar da proibição imposta pela Anatel, ainda era possível adquirir o produto, sem garantia de habilitação na operadora

O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2012 | 03h04

Os chips das operadoras de celular continuaram a ser comercializados ontem em pontos de venda terceirizados, como bancas de jornais e camelôs, apesar da proibição da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), apurou o 'Estado' em seis capitais brasileiras. Nas lojas das operadoras, as vendas foram suspensas.

O dono de uma banca de jornais no centro de São Paulo, Ricardo Guerreta, oferecia ontem um chip da Claro por R$ 7. Ele disse que soube da proibição das vendas de linhas da empresa em São Paulo pela imprensa e, por isso, deixou de encomendar novos chips da operadora. "Estou vendendo o que tenho em estoque. Só restou um." O empresário compra o produto de uma revendedora da Claro e afirmou que ninguém lhe disse que não poderia vender o produto a partir de ontem.

A Claro foi proibida de vender novas linhas a partir de ontem em São Paulo, Sergipe e Santa Catarina. A TIM teve as vendas interrompidas em 18 Estados e no Distrito Federal. Nos outros cinco Estados, a Oi está proibida.

A situação se repete em bancas de jornal em Vitória, Aracaju, Curitiba, Fortaleza e no Rio. Na capital fluminense, onde a TIM teve suas vendas suspensas, quem se dispôs a percorrer as ruas do centro ainda encontrou chips da operadora à venda. De dez estabelecimentos visitados pelo Estado, três ainda ofereciam o produto, alegando desconhecer a impossibilidade de habilitar o número. A maioria, porém, alertava o consumidor sobre a restrição.

Nos camelôs, a situação não é diferente. Nos calçadões das avenidas João Pessoa, São Cristóvão e Laranjeiras, no centro de Aracaju (SE), vendedores ambulantes estavam, ontem pela manhã, oferecendo os chips, com o preço entre R $ 8 e R$ 10. Os vendedores disseram que desconhecem a determinação da Anatel, por isso as vendas continuam.

Na Grande Vitória (ES), os camelôs continuaram ontem a oferecer os chips da TIM, proibida de ativar novas linhas no Espírito Santo. "Não estou sabendo que está proibido vender chip da TIM. Não posso ficar com essa mercadoria parada no estoque", disse a vendedora Maria de Fátima Silva, de Cariacica, região metropolitana de Vitória.

As lojas próprias de TIM, Oi e Claro visitadas pelo Estado abriram normalmente, mas não venderam linhas nas regiões onde foram proibidas.

O administrador de sistemas, Dalmo Cardoso, tentou comprar um chip da Claro ontem em uma loja da empresa em São Paulo e não conseguiu. "Voltei agora a morar no Brasil e só tenho o celular corporativo", disse. Como a maior parte de seus familiares é cliente da Claro, ele vai esperar as vendas serem retomadas para comprar o celular.

O superintendente de serviços privados da Anatel, Bruno Ramos, disse na semana passada que a suspensão da comercialização de novas linhas vale para todos os pontos de venda. Segundo ele, as companhias terão de colocar comunicados informando sobre a interrupção das vendas nesses locais. "Inclusive nos camelôs", afirmou. A Anatel informou que vai fiscalizar o serviço por meio da habilitação das linhas e não nos pontos de venda.

A reportagem do Estado comprou ontem em São Paulo um chip pré-pago da Claro numa banca de jornal, mas não conseguiu ativar a linha. Em comunicado, TIM, Claro e Oi disseram que avisaram as redes de atendimento, inclusive as revendas, de que a comercialização de chips está proibida. Mas, mesmo que alguma venda seja feita sem autorização, as linhas não serão ativadas. / MARINA GAZZONI, EDUARDO RODRIGUES, GLAUBER GONÇALVES, ELDER OGLIARI, CÍNTIA BRINGHENTI, ANTÔNIO CARLOS GARCIA, JULIO CESAR LIMA E LAURIBERTO BRAGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.