Hélvio Romero/Estadão
Wilson Lima (PSC), governador do Amazonas Hélvio Romero/Estadão

'Choque de energia barata' provoca guerra política no Amazonas

Projeto de lei que segue o modelo do chamado Novo Mercado de Gás, do governo federal, reduz valores a serem pagos à distribuidora estatal pela população e pela indústria; proposta foi aprovada por deputados e derrubada pelo governador 

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2020 | 15h28

BRASÍLIA - Conhecido pela alcunha de “choque de energia barata”, dada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, o Novo Mercado de Gás gerou uma guerra política no Amazonas. 

Um projeto de lei com medidas que seguem o modelo do governo federal foi aprovado na Assembleia Legislativa, mas o Estado vetou a proposta. Enquanto o deputado Josué Neto (PRTB) tenta angariar votos para derrubar o veto, o governador Wilson Lima (PSC) afirma que a proposta é inconstitucional. No centro da discussão está o futuro da Cigás, distribuidora na qual o Estado tem participação.

De autoria de Josué Neto, presidente da Assembleia, o projeto regula o serviço de distribuição de gás e altera condições para enquadramento de consumidores livres, autoprodutores e autoimportadores no Amazonas, o que reduziria os valores a serem pagos à distribuidora pela população e pela indústria. Apresentado no dia 2 de abril, ele foi aprovado em plenário virtual uma semana depois. 

Em defesa do proposta, o deputado argumenta que a Cigás não investe o suficiente para atender as necessidades do Amazonas. Segundo ele, grandes empresas de petróleo não investem no Estado, dono de grandes reservas em terra, devido a uma regulação que favorece a estatal. “O povo não tem nenhuma alternativa de emprego e renda, principalmente no interior do Estado, porque fica tudo na mão de uma única empresa”, afirmou.

Para derrubar o veto governamental, é preciso obter 13 votos, mas Josué Neto conta com apenas nove deputados - mesmo depois de uma aprovação quase unânime na Casa. O veto passa a trancar a pauta da Assembleia Legislativa a partir do dia 5.

O governador Wilson Lima afirmou que deveria ter sido ouvido sobre o projeto, aprovado em tempo recorde, na avaliação dele. O veto, segundo ele, seguiu parecer da Procuradoria-Geral do Estado. Ele apontou vício de iniciativa – caberia apenas ao Estado apresentar uma lei sobre o tema, e não à Assembleia. “Como pode um projeto sobre um tema tão importante, com 57 páginas, ser aprovado em tão pouco tempo, sem discussão?”, questionou. 

Segundo ele, o problema do Estado não é a distribuição de gás, mas sim a produção. “Vão distribuir o quê, se não tem gás para ser distribuído?”, questionou. “De fato temos a maior reserva de gás em terra no Brasil, mas isso está no subsolo. Primeiro, é preciso viabilizar a chegada desse gás a Manaus e ao mercado consumidor. Precisamos de dutos e barcaças para transportar esse gás e de uma estação de liquefação, o que ainda não temos”, explicou o governador.

Wilson Lima diz ainda que é seu dever, como governador, preservar a Cigás, da qual o Estado é sócio. O Amazonas detém 51% das ações ordinárias, mas apenas 17% do capital social e, consequentemente, é essa a parcela de dividendos da companhia que cabe ao governo. “Preciso proteger um ativo do Estado e impedir uma lei que quebre esse patrimônio. Essa lei pode reduzir o valor da Cigás em 10% do que é hoje. Isso coloca em risco as operações da empresa. Quem vai investir em um Estado com essa insegurança jurídica?”

A Cigás faturou R$ 2,6 bilhões no ano passado, dos quais 67% ficaram com a Petrobrás e a Engie, respectivamente produtora e transportadora, 28% com o Estado, em tributos e royalties, e 4,5% com a empresa, disse o governador. 

O lucro líquido da companhia, segundo Lima, foi de R$ 60 milhões, e serviu para pagamentos de dividendos e realização de investimentos. O Estado do Amazonas arrecadou R$ 540 milhões em impostos e algo entre R$ 13 milhões e R$ 15 milhões em dividendos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tribunal de Contas do Estado investiga atuação da distribuidora de gás do AM

Segundo o TCE, as regras do Estado sobre a distribuição de gás não são claras e afastam investimentos de produtoras

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2020 | 15h55

BRASÍLIA - A Cigás, distribuidora estatal de gás do Amazonas, esteve no centro de um processo de investigação do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM). A apuração teve início com uma denúncia da própria agência reguladora do Estado, que acusou a companhia de aumentar o pagamento de dividendos – cujo mínimo é de 75% do lucro, segundo o estatuto – à custa da redução dos investimentos.  

Poucos dias depois da representação, a Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados e Contratados do Estado do Amazonas (Arsepam) acabou desistindo do processo, mas o TCE manteve a apuração. Segundo o tribunal, as regras do Estado sobre a distribuição de gás não são claras e afastam investimentos de produtoras. 

Em seu voto, o conselheiro Ari Jorge Moutinho da Costa Júnior enviou informações à Polícia Federal, ao Tribunal de Contas da União (TCU) e ao Ministério Público Federal (MPF) para que haja uma investigação mais ampla sobre a empresa. Ele cobrou transparência da empresa em relação a governança, remuneração e composição acionária. Recomendou ainda a sanção do projeto de lei aprovado pelos deputados estaduais, que abre o mercado de gás no Estado.

“Nos últimos dois anos, o investimento da companhia no Estado foi zero. Então, quero entender a razão da perda de interesse da Arsepam em fiscalizar a empresa”, afirmou o conselheiro. “É surreal e irresponsável a postura do governo do Amazonas ao manter o veto sobre uma proposta que poderia gerar empregos e renda em um momento de crise e pandemia.” 

Em nota, o governo do Amazonas informou que a representação foi protocolada para apurar itens do estatuto da Cigás que, “em caráter inicial”, poderiam ser aprimorados. “Contudo, após o protocolo no TCE, reputamos necessário aprofundar a análise técnica em pontos específicos de tal estatuto, em contraponto às normativas do setor”, informou. Um grupo de trabalho foi criado na agência para promover estudos técnicos e jurídicos sobre o tema, diz o comunicado.

Para o governo, o nível de investimentos da empresa está adequado – desde o início das operações, em 2010, até março, foram R$ 271 milhões e 135 quilômetros de gasodutos construídos. A previsão, segundo a nota, é de investimentos de R$ 170 milhões nos próximos anos e mais 140 km de dutos. “Vale ressaltar que a companhia, enquanto concessionária de serviço público, deve observar o princípio da modicidade tarifária. Assim, o volume de investimentos deve seguir um racional que garanta que o serviço seja acessível à coletividade”, informou o governo.

O projeto de lei que abre o mercado de gás no Amazonas tem defensores e críticos também no meio empresarial. A Associação Brasileira de Grandes Consumidores de Energia (Abrace) apoia o Novo Mercado de Gás. Para o presidente da entidade, Paulo Pedrosa, a proposta promove a competição entre os Estados em busca de investimentos da indústria, reduz o preço do insumo e enfrenta monopólios locais. “A energia do Amazonas custa R$ 4 bilhões na forma de subsídios e impostos sobre eles. A oferta de gás competitivo no Amazonas pode diminuir o custo da energia no Brasil inteiro”, afirmou Pedrosa.

A Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) avalia que o projeto de lei é inconstitucional, aumenta o risco de judicialização e gera um desequilíbrio financeiro do contrato de concessão existente, inviabilizando a prestação de serviços nas regras pactuadas previamente. “Basicamente, o PL rompe com o contrato de concessão em vigor e altera, por exemplo, o arcabouço regulatório para as figuras de autoprodutor, autoimportador e consumidor livre. A Abegás entende que a movimentação do gás é uma prerrogativa das distribuidoras e que impor exceções que deixem de remunerar esses serviços, em favor de alguns segmentos, certamente irá comprometer o processo de expansão e de universalização dos serviços locais de gás canalizado.”

Procurada, a Cigás não se pronunciou até a publicação da reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.