Christine deve visitar Brasil em busca de apoio no FMI

A ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, afirmou hoje que está preparada para visitar a China no próximo domingo, como parte de um esforço para obter amplo apoio para sua candidatura ao cargo de diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI). Christine disse ainda que pretende visitar o Brasil e a Índia. "China, Brasil e Índia são uma necessidade absoluta", afirmou.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

26 de maio de 2011 | 12h05

Um dia depois de anunciar formalmente sua candidatura, Christine disse que está em busca de amplo apoio e não apenas de suporte da Europa. "Certamente preferiria ser endossada por uma grande maioria, em vez de ser a candidata da Europa empurrada pelos europeus", declarou. Se conseguir o cargo, ela disse que quer provar sua independência do governo francês logo no começo de seu mandato. A ministra também começou a delinear suas prioridades caso assuma a direção do FMI.

Ela afirmou que vai continuar dando apoio para um maior equilíbrio nos direitos de voto dentro do fundo para ter certeza de que grandes países populosos, como a Indonésia, sejam mais bem representados. "Nós precisamos continuar melhorando a governança do fundo. É uma instituição que tem se adaptado e deve se adaptar ao restante do mundo", afirmou. "Há países muito pequenos com um peso como o da Indonésia, por exemplo. Com respeito a isso, o fundo precisa mudar."

Christine observou que uma das principais prioridades do FMI deve ser fornecer apoio aos países do norte da África e do Oriente Médio, onde regimes autoritários estão sendo derrubados por uma onda de revoltas populares. A ministra acrescentou que, sobre a questão do reequilíbrio das moedas, a posição que a França vem tomando como líder do G-20 - a de não incentivar a acumulação de reservas - é uma "boa proposta".

Com relação à crise europeia, reiterou que a posição da França sobre uma possível reestruturação da dívida da Grécia é de que isso "está fora de questão". Caso seja escolhida para o cargo, ela irá herdar uma instituição profundamente traumatizada por escândalos sexuais - como o que provocou a renúncia de Dominique Strauss-Kahn ao cargo de diretor-gerente. Mas a ministra afirmou que vai impedir que sua campanha seja tomada por esse assunto. "A última coisa que a instituição precisa é de qualquer tipo de campanha ou declaração que seja baseada nisso."

Christine destacou que sua candidatura não deve ser vista sob o prisma da sua nacionalidade e que ela espera ser julgada com base em seu histórico. A ministra afirmou que seu estilo de administração tem origem em alguns princípios fundamentais: "ser responsável, ser honesta e os outros dois pilares são respeito e tolerância". "O mero fato de uma mulher estar no topo de uma organização é realmente um conforto", disse. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIsucessãoChristine LagardeBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.