Chrysler e Fiat finalizam aliança estratégica global

A Chrysler e a Fiat finalizaram hoje sua aliança estratégica global costurada pelo governo dos Estados Unidos, um dia após a Suprema Corte do país retirar os últimos obstáculos ao acordo, relacionados a objeções de credores. A decisão da Corte abre caminho para que a Chrysler saia da concordata, processo em que entrou em 30 de abril e que o governo dos EUA disse que iria resolver em 60 dias.

MARCÍLIO SOUZA, Agencia Estado

10 de junho de 2009 | 11h46

Como parte do plano de reorganização, a Fiat terá 20% da nova Chrysler e o sindicato United Auto Workers terá mais de 55%. A fatia da Fiat pode subir a 35% se a companhia cumprir certos parâmetros relacionados ao desenvolvimento de veículos eficientes no uso de combustível nos EUA. A italiana tem a opção de se tornar a acionista majoritária assim que os empréstimos dos EUA tenham sido honrados.

A Chrysler vai operar como Chrysler Group LLC, com Robert Kidder no cargo de presidente e o executivo-chefe (CEO, na sigla em inglês) da Fiat, Sergio Marchionne, supervisionando as operações cotidianas da montadora norte-americana. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
veículosFiatChrysler

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.