Chrysler volta a falar em concordata

O presidente da Chrysler, Robert Nardelli, afirmou que os contatos com a força-tarefa criada pelo presidente dos EUA, Barack Obama, para o setor automotivo, têm sido produtivos, "mas um pedido de concordata continua sendo uma opção". Ele reiterou que a Chrysler precisa de US$ 5 bilhões em empréstimos federais até o dia 31 para continuar operando e defendeu o valor que a companhia obterá com a parceria anunciada com a italiana Fiat.

, O Estadao de S.Paulo

18 de março de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.