Sirli Freitas/Agência RBS
Sirli Freitas/Agência RBS

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Chuva irregular limita plantio de soja

Após quebra da safra passada, produtores de Mato Grosso preferem aguardar condições melhores para acelerar a safra 2016/2017

Leticia Pakulski, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2016 | 05h00

O plantio da soja da safra 2016/2017 ainda não deslanchou. Apesar de as chuvas terem começado mais cedo, meteorologistas alertam que a regularização da estação das águas só deve ocorrer a partir de novembro. Além da incerteza climática, produtores citam a dificuldade de acesso a crédito, a escassez de recursos próprios após as perdas da safra 2015/2016 e o custo elevado de insumos como fatores a recomendar prudência na hora de semear a oleaginosa.

A cautela vai na contramão da previsão de colheita da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada na quinta-feira em Brasília. O País deve colher um recorde de até 214,8 milhões de toneladas de grãos neste ciclo – volume até 15,3% maior ante a temporada anterior. Para a soja, a Conab prevê aumento de até 9%, para 104 milhões de toneladas.

Em Mato Grosso, maior Estado produtor, com 29,1 milhões de toneladas projetadas pela Conab (12% mais ante 2015/2016), produtores dosavam a velocidade das plantadeiras e da cobertura da área conforme previsão do tempo. O Oeste do Estado é a região na qual o plantio está mais adiantado, com 36,31% da área já coberta, segundo o Instituto Mato- Grossense de Economia Agropecuária. Em Campo Novo do Parecis, a chuva demorou mais para chegar ao município, mas, quando veio, alcançou amplamente as áreas de lavoura, disse a presidente do Sindicato Rural, Giovana Velke, ao Broadcast Agro, sistema de notícias do agronegócio em tempo real da Agência Estado. “De domingo para cá, choveu em quase toda a região, e todo mundo está plantando”, disse.

No Meio-Norte, segunda região mais adiantada em Mato Grosso, com 24,47% da área semeada, além das chuvas irregulares, agricultores sofreram com atraso na entrega de sementes. Em Nova Mutum, o plantio teve início entre 25 e 28 de setembro, com chuvas ainda esparsas e em áreas isoladas. A partir de 4 de outubro, a região recebeu chuvas volumosas. Ainda assim, há quem só plantará a partir do dia 10.

Sementes. “Agora estão entregando sementes, mas ainda há problemas de qualidade, como germinação baixa”, disse o presidente interino do Sindicato Rural do município, Emerson Zancanaro. O clima ainda preocupa, mas a expectativa é de boas condições em novembro. “Estamos apreensivos com a possibilidade de seca de 15 a 20 dias em outubro, mas o produtor vai plantar igual.”

Embora os recursos para pré-custeio e custeio – necessários para adquirir adubos, agroquímicos e sementes – tenham chegado ao campo no período esperado, muitos produtores precisaram renegociar dívidas e tiveram o limite de crédito reavaliado. “Tivemos quebra na safra passada; o produtor está com crédito restrito”, disse Zancanaro, acrescentando que uma das saídas é o financiamento por meio de “barter” – operação na qual o produtor adquire insumos diretamente de empresas e quita a dívida com grãos, após a colheita.

Ainda assim, sojicultores esperam que um bom resultado em 2016/2017 permita uma maior facilidade de financiamento e um aumento no uso de recursos próprios no custeio da safra seguinte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.