Chuva tem sido excelente para cana e café

Em várias regiões, porém, atividades de campo vêm sendo prejudicadas pelo excesso de água no solo

Ana Maria H. de Ávila, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2011 | 00h00

Pela segunda semana consecutiva, chove de forma generalizada, no Estado. Os maiores volumes foram registrados em Jaú, 154 milímetros, Jaboticabal, 125 e Franca, 103. Em várias cidades, o total acumulado já supera a média do mês. Com a nebulosidade mais elevada, a temperatura se manteve dentro da média climatológica, com mínimas entre 17 e 21 graus e máximas entre 25 e 30 graus.

Com o excesso de água no solo, os agricultores têm dificuldade de transitar com as máquinas na lavoura e tiveram de interromper o preparo do solo para as culturas de segunda safra, como milho safrinha e o sorgo.

As chuvas na região de Itapeva não chegaram a interromper a colheita do tomate e os produtores aproveitam os preços em alta do produto. Todavia, com o excesso de água no solo, os produtores da região de Sumaré e Mogi-Guaçu, que estão transplantando as mudas das frutas que serão colhidas no inverno, tiveram de interromper os trabalhos de campo.

O tempo úmido e quente continua favorecendo o crescimento dos canaviais de Ourinhos, Araçatuba e Ribeirão Preto, indicando que a produtividade pode superar a expectativa. O mesmo se observa nos cafezais de Garça, Arceburgo e São José do Rio Pardo. Os frutos estão com bom desenvolvimento e os produtores otimistas.

A chuva prejudicou as atividades de colheita da amora e framboesa em Campos do Jordão, do pêssego e nectarina no Vale do Paranapanema e da uva e figo em Jundiaí e Valinhos.

ANA MARIA H. DE ÁVILA É PESQUISADORA DO CEPAGRI/UNICAMP. MAIS INFORMAÇÕES SOBRE TEMPO E CLIMA, ACESSE WWW.AGRITEMPO.GOV.BR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.