Ciclo de expansão de crédito tende a ser mantido, prevê BC

O chefe-adjunto do Departamento Econômico do Banco Central, Luiz Malan, acredita que o atual ciclo de expansão de crédito tende a ser mantido diante do cenário de estabilidade e de redução nas necessidades de financiamento do governo. Segundo Malan, a expansão do crédito imobiliário deve ser uma das áreas mais promissoras nos próximos anos. O crescimento do crédito consignado deve se manter, mas não repetir as taxas de crescimento de 200%, vistas recentemente. "O crédito consignado deve passar por uma fase de acomodação", afirmou.De acordo com ele, as áreas de leasing, que já vêm mantendo índices robustos de crescimento, devem se manter em expansão. Outra área que deve receber recursos da expansão do crédito livre é a área de crédito a pessoas jurídicas, com alongamento de prazos e taxas mais baixas.PrazoSegundo Malan, o prazo médio na concessão de crédito livre para pessoa jurídica é hoje de apenas de 208 dias. Esse prazo equivale a dois terços do prazo de crédito concedido à pessoa física. "É fundamental alterar esse perfil de prazo", comentou Malan, que participa do Fórum Nacional de Concessão de Crédito, no Hotel Paulista Plaza, em São Paulo.Dia das CriançasNúmeros divulgados ontem pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) revelam que a venda a prazo resiste, alimentada pela abundante oferta de crédito, apesar dos juros e da inadimplência elevados. No mês passado, as consultas para venda a prazo aumentaram 4,3% na comparação com o mesmo período de 2004. De janeiro a setembro, o crediário acumula alta de 5,6% ante o ano passado. O ritmo de crescimento é ligeiramente inferior ao registrado entre janeiro e agosto, que foi de 5,7%. Para o Dia das Crianças, que é o termômetro de como será o Natal, a perspectiva é que o volume de negócios cresça 4% ante a mesma data de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.