Cidade promete lutar para salvar a Eucatex

A prefeitura e a Câmara de Salto, no interior paulista, vão se mobilizar para não perder os 2,4 mil empregos que as empresas do grupo Eucatex mantêm na cidade. A Eucatex S.A Indústria e Comércio e a Eucatex Química e Mineral Ltda, entraram com pedido de concordata, na última quarta-feira, no Fórum local, alegando dificuldade para pagar as dívidas por causa dos juros elevados e da desvalorização do real no ano passado.A juíza Renata Cristina Rosa da Costa e Silva, da 3ª Vara Cível, encaminhou os pedidos ao Ministério Público e deve dar parecer na próxima semana. Se a concordata for aceita, a empresa vai pagar os débitos com a correção legal de 6% ao ano.O prefeito Pilzio Nunciatto di Lelli (PPS) disse que está disposto a encabeçar um movimento político para que os empregos sejam preservados. Ele pretende pedir apoio ao governo federal para que a empresa possa se recuperar financeiramente. "A Eucatex tem alta tecnologia e produtos excelentes, inclusive para exportação, mas está sendo vítima da situação econômica do País, em razão dos juros altos."O Sindicato dos Trabalhadores da Construção e do Mobiliário, que preparara uma pauta de reivindicações, incluindo reajuste de salário, decidiu rever o pleito após a concordata. "Vamos decidir que caminho será tomado, mas o mais importante agora é preservar os empregos", disse o presidente Aparecido Galvão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.