Cidades baianas enfrentam a seca de forma diferente

Cidades do sudoeste baiano, Itiruçu, a 360 quilômetros de Salvador, e Lagoa Real, a 730 quilômetros, têm características em comum. As duas têm cerca de 13 mil habitantes, estão a mais de 700 metros de altitude, têm na agricultura de pequenos produtores a principal fonte de renda e sofrem, há pelo menos dois anos, com a seca que assola o semiárido do Estado - o índice pluviométrico médio de ambas, por volta de 800 milímetros por ano, despencou para 300 nos últimos dois anos.

TIAGO DÉCIMO , ITIRUÇU, LAGOA REAL (BA), O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2013 | 02h08

Em Itiruçu, porém, a população vem decrescendo, por causa do recrudescimento da migração da força de trabalho para outras regiões do País. Já em Lagoa Real, a população mantém o ritmo de crescimento, mesmo diante das dificuldades impostas pela seca.

A chuva, apesar de fraca e inconstante, voltou no início de abril. O cenário deixado pela estiagem em Itiruçu, no entanto, ainda é desolador. "A simples volta da chuva, mesmo que caia no volume esperado nos próximos anos, já não é suficiente para superar os estragos causados pela falta de água", diz o prefeito, Wagner Novaes (PSDB).

Itiruçu tem uma história atípica na Bahia. Colonizada por imigrantes italianos, que dividiram as terras em pequenas propriedades a partir da década de 1950, a cidade cresceu com a produção de hortaliças. No fim da década de 1970, começou o ciclo do café, responsável por empregos rurais de toda a região. No auge, em 1986, o município colheu 50 mil sacas de café. A produção incentivou a construção, em 1989, da maior fábrica da cidade, a Café Tenisi, do casal de imigrantes Bruno e Concettina Tenisi - donos de uma fazenda.

A seca praticamente destruiu a produção. "Despencou, nos últimos três anos, para menos de mil sacas de café", conta o produtor e secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrícola da cidade, Vincenzo Tenisi, sobrinho de Concettina. "Dos quase 2 mil trabalhadores em plantações que a cidade tinha há três anos, restam apenas 200."

Hoje Concettina concentra os esforços, junto com os filhos, na torrefação, moagem e embalagem do café para a venda. "Compro os grãos de Minas Gerais, do Espírito Santo e de outras regiões da Bahia", diz a empresária, que emprega dez pessoas. A produção é de 8 toneladas de café moído por mês.

Diferentemente de Itiruçu, Lagoa Real tem conseguido enfrentar a estiagem. "Há muitos problemas, mas estamos conseguindo diminuir a saída dos trabalhadores e manter a economia funcionando", diz o prefeito Francisco José Cardoso de Freitas (PSD).

Segundo ele, foi necessária "uma conjunção de fatores" para amenizar os estragos causados pelo que chamou "maior estiagem da história" - pela primeira vez, diz, a lagoa que dá nome à cidade está seca. Os principais: a localização de água subterrânea suficiente para irrigar boa parte das plantações, por meio de perfuração de poços (o que não ocorreu em Itiruçu), e grandes obras de infraestrutura na região.

"Como cerca de 80% da população mora na zona rural, foi fundamental a descoberta desses poços e, aliada a isso, a introdução de novas culturas, mais rentáveis." Segundo ele, 200 poços artesianos foram perfurados nos últimos dois anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.