Cielo ganha mercado, mas prevê reação da Redecard

Empresa somou 61% de participação de mercado no segundo trimestre, mas perdeu grandes contas para concorrente

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2012 | 03h07

Apesar de ter ganhado participação no mercado de credenciamento no segundo trimestre, a Cielo espera uma retomada da Redecard nos próximos meses. A Cielo aumentou seu market share de 57,7% para 61% entre abril e junho, enquanto a Redecard reduziu a sua presença no mercado, de 42,3% para 38,9%, conforme dados da Cielo, considerando apenas dois concorrentes no setor.

"Em função da agressividade da nossa principal concorrente (Redecard), já sabemos de fato que perdemos algumas grandes contas em razão de preço que ainda não refletiram no segundo trimestre deste ano, mas que irão impactar nosso volume nos próximos trimestres", adiantou o presidente da Cielo, Rômulo de Mello Dias, em teleconferência com analistas realizada ontem. Ele também ressaltou que a Cielo está focada em rentabilidade e não em market share.

A liderança da Cielo também tem sido pressionada pela ofensiva do Santander (em parceria com a GetNet) no mercado. O Santander conseguiu bater em junho a meta estabelecida para todo o ano de 2012 ao alcançar a marca de 324 mil estabelecimentos comerciais cadastrados.

Com isso, o Santander dobrou a sua participação de mercado, para 3,52%, em comparação com a fatia existente em junho do ano passado. O objetivo da instituição é abocanhar 10% do segmento em 2013.

Quando comparados o crescimento dos volumes capturados nos terminais que fazem a leitura de cartões de débito e crédito (chamados de POS), a Redecard teve uma expansão mais modesta, de 6,5%, enquanto a Cielo apresentou alta bem superior, de 22,9%. Nos terminais do Santander foram movimentados R$ 9,9 bilhões no primeiro semestre, em um total de 120 milhões operações. A cifra é bem próxima de todo o volume registrado no ano passado, quando foram feitas 139 milhões de transações, com volume financeiro de R$ 10,9 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.