Cigarros, alface e ovos são vilões da inflação em SP

Cigarros, alface e ovos foram os vilões da inflação na capital paulista medida pela Fipe na segunda quadrissemana de março. Os aumentos destes produtos do grupo de despesas pessoais foram respectivamente de 3,53%, 17,43% e 7,62%. A conta do telefone celular, que apresentou elevação de 4,43% e os produtos da linha branca (geladeira, fogão e máquina de lavar) foram os itens que mais pesaram para o grupo habitação. No grupo saúde, os remédios lideraram os aumentos (0,93%). O grupo alimentação teve tanto deflação (semielaborados -1,02%) quanto positivos (in natura +3,35%, industrializados +0,03% e fora do domicílio +0,99%). Em vestuário, ocorreu deflação de 0,85%. Na lista dos produtos que mais contribuíram para a baixa da inflação estão álcool combustível (-17,16%), açúcar (-15,26%) e gasolina (-0,58%). O item viagem (excursão) caiu 2,55%. Segundo o coordenador do IPC da Fipe, Paulo Picchetti, a tendência de alta dos preços dos produtos industrializados no varejo para os próximos meses é clara e generalizada. "Temos um cenário hoje de margens comprimidas das empresas e de elevação dos custos", afirmou o economista. Ele salientou, no entanto, que o repasse do preços do atacado ao consumidor final não chegará a 100%. "Alguma coisa os industriais conseguem repassar, mas a falta de demanda segura parte dessa pressão", disse.

Agencia Estado,

18 Março 2004 | 17h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.