Cigarros sobem menos e IPC-S cai pela metade, indica FGV

Índice sobe 0,29% na 2ª semana de junho, menor taxa desde fevereiro, com recuo no preço dos cigarros

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

16 de junho de 2009 | 09h02

A inflação medida no varejo recuou para quase a metade, na segunda quadrissemana desse mês. O IPC-S de até 15 de junho subiu 0,29% após avançar 0,43% no índice anterior, de até 7 de junho, segundo informou nesta terça-feira, 16, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Foi a menor taxa desde a quarta semana de fevereiro de 2009, quando o IPC-S subiu 0,21%.

Veja também:

linkEntenda os principais índices

 O recuo na taxa de variação de preços de cigarros (de 8,81% para 4,90%) foi determinante para a taxa menor do IPC-S, que passou de 0,43% para 0,29% entre a primeira e a segunda quadrissemana de junho. Segundo informou há pouco a Fundação Getúlio Vargas (FGV), esse item derrubou a taxa de inflação do grupo Despesas Diversas (de 3,27% para 1,96%), classe de despesa que mais contribuiu para o menor avanço do índice, no período.

 

Ainda segundo a fundação, dos sete grupos componentes do índice, quatro apresentaram taxas de inflação menos intensas, ou deflação mais forte, na passagem do IPC-S de até 7 de junho para o índice de até 15 de junho.

É o caso de Alimentação (de 0,04% para -0,04%); Habitação (de 0,65% para 0,48%); e Vestuário (de 0,59% para 0,55%). Outros dois grupos apresentaram aceleração de preços, como Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,45% para 0,47%?); e Educação, Leitura e Recreação (de 0,09% para 0,11%). A classe de despesa restante, Transportes, manteve a mesma taxa de variação de preços no período, de -0,15%.

 

Ao analisar a movimentação de preços entre os produtos, no âmbito do IPC-S de até 15 de junho, a FGV informou que as mais significativas altas de preço no varejo foram apuradas em leite tipo longa vida (12,35%); cigarro (4,90%); e aluguel residencial (0,72%). Já as mais significativas quedas de preços foram registradas em mamão da Amazônia - papaia ( -26,05%); tomate (-9,25%); e alface (-9,04%).

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãIPC-Scigarros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.