Clayton de Souza/AE-12/11/2010
Clayton de Souza/AE-12/11/2010

Cinco bancos estão interessados no Panamericano

Bradesco, Santander, Safra, BTG Pactual e um banco estrangeiro estão disputando a compra da instituição controlada pelo empresário Silvio Santos

David Friedlander, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2011 | 00h00

Desde que o Panamericano foi colocado à venda, depois da descoberta de um rombo bilionário em suas contas, pelo menos cinco bancos já manifestaram interesse na participação que o empresário Silvio Santos possui na instituição. Fontes que participam do processo citam, entre eles, Bradesco, Santander, Safra e BTG Pactual, além de uma instituição estrangeira que mandou representante, mas ainda não se identificou.

Segundo o Estado apurou, nenhum desses bancos fez proposta firme até agora. A maioria se manifestou em novembro e dezembro, logo depois que o escândalo veio a público. Alguns efetivamente olharam os principais números do Panamericano, outros apenas avisaram que podem vir a negociar os 37,27% de Silvio Santos, dependendo das condições.

O último a aparecer foi o tal banco estrangeiro que não tem operações no Brasil, ainda não quer revelar o nome e contratou um consultor para representá-lo no processo. Procurados, Bradesco, BTG e Santander responderam, por meio de suas assessorias, que não comentariam rumores de mercado. A assessoria do Safra não foi localizada.

Balanço. Antes de dar início a qualquer negociação efetiva, os bancos querem ver o balanço do terceiro trimestre de 2010 do Panamericano, que até hoje não foi divulgado. A apresentação desses resultados já foi adiada duas vezes e agora está prometida para o próximo dia 31.

Sem avaliar esse balanço, fica impossível saber se o aporte de R$ 2,5 bilhões foi suficiente para sanear as contas, se o banco tem outros problemas e qual é a situação da instituição hoje. "Ninguém vai fazer nada sem ver o balanço", diz uma fonte que participa do processo. "Dependendo do que ele apresentar, quem já mostrou interesse seguirá em frente ou não".

Os bancos colocaram o Panamericano no radar porque, dos bancos pequenos, ele é um dos maiores. É forte em crédito consignado e no financiamento de veículos. Possui uma carteira com mais de 2 milhões de clientes, fortemente concentrados nas classes C e D, e tem uma rede de distribuição com 170 pontos de venda espalhados pelo País. De quebra, tem como sócia a Caixa Econômica, com 36,56%.

Depois da descoberta do rombo, a Caixa passou a dar as cartas no Panamericano e a desenvolver uma série de ações para recuperar o banco. Pelo acordo de acionistas, a Caixa precisa aprovar a entrada de um eventual novo sócio no lugar de Silvio.

Preço. Para chegar a um acordo, candidatos à compra da participação de Silvio Santos no Panamericano precisarão negociar também com os executivos da Caixa e do Fundo Garantidor de Crédito. Até agora, antes da divulgação do balanço, eles trabalham com um preço superior a R$ 1 bilhão para vender o banco.

Enquanto o balanço atrasado não sai e os candidatos não se definem, a especulação corre solta na BM&FBovespa. Nos últimos 11 dias, as ações do Panamericano subiram 29%.

PARA LEMBRAR

A fraude bilionária no Panamericano está sendo investigada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. O caso veio a público em novembro, depois que o Banco Central encontrou um rombo estimado em R$ 2,5 bilhões na contabilidade do banco. Basicamente, executivos são acusados de maquiar os balanços para esconder resultados ruins. Toda a direção do Panamericano foi demitida. As autoridades investigam também a suspeita de desvio de dinheiro, mas até agora não há notícia de que tenham sido encontrados indícios de desfalque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.