Cinco fazendas têm bois com sintomas de aftosa

As áreas com suspeita de aftosa se expandem na região de fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai e a Defesa Sanitária Animal vai a ampliar a área sob situação de emergência na região. Até a tarde deste domingo, já eram pelo menos cinco as propriedades com animais apresentando sintomas da doença em Japorã, cidade da região.Se a doença for confirmada, o estado de emergência sanitária, que desde a semana passada atinge os municípios de Eldorado, Japorã, Itaquiraí, Mundo Novo e Iguatemi, será estendido a Sete Quedas e Tacuru.A emergência foi decretada com a confirmação do surto na Fazenda Vezozzo, em Eldorado. Todo o plantel, de 582 bovinos, foi abatido. Também foi confirmada a doença na fazenda Jangada, vizinha à Vezozzo. A área da fronteira sob vigilância vai aumentar dos atuais 80 para 140 quilômetros.Prefeitos dos cinco municípios reúnem-se na segunda com secretários do governador José Orcírio de Miranda (PT), o Zeca do PT, para discutir um plano emergencial para a região. Rubens Freire Marinho, prefeito de Japorã, quer uma ajuda de R$ 300 para cada sitiante do município atingido pela interdição.Segundo ele, cerca de 350 dos 400 pequenos produtores rurais estão impedidos de comercializar leite, carne e derivados. "Eles tinham apenas essa atividade como fonte de renda."A defesa sanitária considera crítica a situação do município por causa da presença de sem-terra e índios entre os criadores de gado. Um dos supostos focos da doença teria surgido no Assentamento Indianópolis, vinculado à Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri).O prefeito foi informado de que a doença pode ter chegado também na reserva Porto Lindo, dos índios caiová-guaranis. Os indígenas têm cerca de 250 cabeças de gado. "O controle vai ficando cada vez mais difícil", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.