Felipe Rau/Estadão
Petz quer ampliar ofertas com hospitais veterinários, serviços de passeio e de hotéis para cães e gatos. Felipe Rau/Estadão

Cinco meses após abrir capital, ações da rede Petz acumulam alta de 70%

Presente em setor que mostrou resistência em relação à crise econômica trazida pela pandemia, Petz vai abrir de 30 a 40 lojas por ano para ganhar musculatura e abocanhar fatia de mercado que está concentrada nas mãos de negócios familiares

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2021 | 05h00

Os animais de estimação ganharam mais brinquedos e petiscos na pandemia, fazendo com que o mercado de cuidado para pets conseguisse ficar imune ao tombo da economia em 2020, que deve ficar acima de 4% quando os números do ano forem fechados. Líder do setor, a rede Petz abriu seu capital em setembro e surfou essa resistência do setor à crise econômica trazida pela pandemia de covid-19. Desde que abriu seu capital, em setembro do ano passado, a companhia viu suas ações subirem 70% na B3, a Bolsa paulista. A empresa hoje é avaliada em R$ 8,7 bilhões.

Situada em um segmento bastante pulverizado, mesmo sendo uma empresa bilionária, a Petz atualmente tem 6% de participação de mercado, seguida de perto pela Cobasi, com 5%. O setor de produtos e serviços para animais de estimação faturou R$ 40,1 bilhões no ano passado, uma alta de 13% sobre 2019, segundo dados do Instituto Pet Brasil.

Depois de abrir o capital, a empresa tem a intenção de crescer via aquisições. Hoje, pequenos petshops e clínicas veterinárias ocupam uma participação de aproximadamente 51% do mercado. Segundo o Euromonitor, trata-se do maior domínio de pequenas empresas do setor no mundo. Na China essa fatia é de 38% e na Inglaterra, de 24%.

Com o mercado aquecido, a Petz abriu 28 lojas pelo Brasil no ano passado. Para os próximos cinco anos está em seu planejamento estratégico a inaugurar de 30 a 40 anualmente. Conforme os últimos dados da companhia, a Petz tem 136 pontos de venda em 15 Estados e no Distrito Federal. Para os próximos cinco anos, a empresa pretende fincar sua bandeira com uma loja em cada um dos 27 Estados brasileiros.

“A Petz lidera um mercado brasileiro de produtos para animais de estimação excepcionalmente fragmentado e de rápido crescimento. A empresa também é líder em tecnologia, oferecendo e-commerce integrado”, afirma, em relatório, os analistas Robert E. Ford Aguilar, Melissa Byun e Vinicius Strano, do Bank of America. No documento, os profissionais recomendam aos investidores a compra da ação da varejista de animais de estimação.

Escalada

Menos de seis meses após sua abertura de capital – e com dinheiro no caixa –, o crescimento projetado não virá da simples abertura de lojas, mas também por meio da construção de centros veterinários e hospitais para pets acoplados às lojas – uma vertente do negócio batizada de Seres

Hoje, já são 115 centros veterinários sendo que dez deles funcionam também como hospitais. A ideia é criar todo um “ecossistema” para o atendimento ao animal de estimação. Além da rede de hospitais, está no planejamento para os próximos anos o fornecimento de toda uma gama de serviços, que podem ir desde “dog walkers” (profissionais que passeiam os cães enquanto os donos estão no trabalho, por exemplo) a hotéis, passando por um serviço de veterinário a domicílio.

Dentro da criação desse ecossistema, um lançamento já testou uma novidade curiosa, que já rendeu até prêmio no Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade. A Petz desenvolveu um e-commerce em que o próprio animal de estimação “escolhe” o produto. As expressões do pet são capturadas pelas câmera, e a tecnologia promete medir o interesse do bicho quando ele for apresentado a algum produto, de snacks a brinquedos interativos.

O Itaú BBA apontou que o crescimento de participação do mercado da Petz decorre do ganho de mercado que antes estava nas mãos de pequenas lojas. “Em contraste com a tendência negativa registrada em muitos setores da economia durante a crise do covid-19, o mercado doméstico de pet care tem apresentado um crescimento sólido. E embora esse crescimento tenha ajudado a mitigar um pouco o fechamento de pequenos participantes da indústria (como lojas pequenas), também aumentou a participação da Petz”, aponta relatório ds analistas Thiago Macruz, Helena Villares, Gabriel Simões, e Maria Clara Briza Infantozzi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Home office incentivou compras para os pets', diz Sergio Zimerman

Para executivo, isolamento causado pela covid salvou o setor da recessão que dominou a economia e deu confiança à empresa para acelerar sua expansão

Entrevista com

Sergio Zimerman, fundador e presidente do Petz

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2021 | 05h00

Fundador da rede Petz, Sergio Zimerman diz que, com o home office, a relação entre donos e seus pets ficou mais próxima – logo, os bichinhos passaram a ganhar mais “agrados”, salvando o setor da recessão que dominou a economia e dando confiança à empresa para acelerar sua expansão. Abaixo, trechos da entrevista.

Por que o setor de pets cresceu mesmo na crise?

No home office, a relação dos tutores com seus pets cresceu e eles compraram mais brinquedos e petiscos. Muita gente que não tinha pet foi atrás de compra ou adoção. Aumentou também a venda de produtos de higiene, com os animais deixando de sair para banho. Com isso, seguimos nosso plano de expansão. Falta entrarmos em 11 Estados.

Como foi realizar a abertura de capital em plena pandemia?

No fim de 2019, nosso planejamento era fazer o IPO em março ou abril. Estávamos na véspera do carnaval, e o processo estava indo muito bem, mas a janela fechou com a pandemia (a oferta acabou sendo realizada em setembro). Nossa primeira reação foi tranquilizar nossos quase 5 mil funcionários da época e nos comprometemos em não demitir. Outra medida foi de manter a saúde de nossos fornecedores com antecipação de pagamentos.

E como foram as vendas online no ano passado?

Já estávamos nos preparando para fazer digital desde 2015 e concluímos o projeto em 2019. Nossa venda online havia sido de 8% em 2019, com tendência de crescimento. Com a pandemia, foi a 25% em 2020.

O sr. considera aquisições?

Há três principais blocos de M&As (fusões e aquisições, pela sigla em inglês). O primeiro seria uma transação com grandes players do mercado para complementar nosso negócio. O segundo seria na chegada a regiões novas, em vez de começarmos um investimento do zero. A terceira são aquisições de serviços de pets, que chamamos de micro aquisições, como hotéis e dog walkers.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.