Cingapura vai construir plataforma para Petrobrás

A Petrobrás anunciou nesta sexta-feira que o estaleiro Jurong, de Cingapura, venceu a concorrência para a construção da plataforma de produção de petróleo P-50, que vai operar no campo de Albacora Leste, na Bacia de Campos, no litoral do Rio de Janeiro. Com a vitória da multinacional, a encomenda, orçada em US$ 244 milhões, corre o risco de ser executada no exterior, reduzindo investimentos no País e eliminando a possibilidade de abertura de cerca de 8,5 mil postos de trabalho, segundo estimativa do governo do Rio.O projeto de Albacora Leste tem investimento de US$ 1,5 bilhão, dos quais US$ 496 milhões serão destinados à construção da plataforma e dos equipamentos de produção e separação de petróleo e gás. Governo e representantes da indústria criticaram a decisão da Petrobrás e ainda lutam para que o Jurong - que é dono do estaleiro Mauá, em Niterói, no Grande Rio - execute a obra no Brasil.O contrato com o Jurong prevê a conversão do petroleiro Felipe Camarão, da Transpetro, em um casco para plataforma de produção de petróleo. Os equipamentos já foram licitados e, segundo a Petrobrás, cerca de 45% dos investimentos do projeto serão feitos com fornecedores nacionais. "A P-50 corresponde apenas a 20% do contrato total e é possível que boa parte seja feita no Brasil, apesar de não haver compromisso formal nesse sentido", disse o diretor de exploração e produção da Petrobrás, José Coutinho Barbosa.Mesmo assim, a vitória do Jurong foi motivo de muitas críticas. "Não posso criticar a Petrobrás, mas é impressionante a falta de sensibilidade do governo com um investimento que poderia criar empregos e negócios para a indústria nacional. Mesmo que a Petrobrás fosse privada, o governo deveria trabalhar para que a obra fosse feita no País", disse o presidente da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira. Para ele, assim como os Estados Unidos defendem sua indústria, tendo o aço como o caso mais recente, o governo deveria fazê-lo.O secretário de energia, indústria naval e petróleo do Rio, Luiz Limaverde, informou que está negociando com o Jurong para que a encomenda seja feita no Brasil. A mobilização chegou a tal ponto que a governadora Benedita da Silva sancionou nesta sexta-feira uma lei que prevê a taxação de ICMS sobre as encomendas para a indústria petrolífera iniciadas no exterior. Os bens e serviços para petroleiras eram isentos pelo Regime Tributário Especial para o Petróleo (Repetro). A medida acrescenta um imposto de 18% sobre o custo da obra.O diretor da Petrobrás informou que a empresa licitará, ainda este ano, a construção das plataformas P-51 e P-52 para produçao de petróleo na Bacia de Campos. A empresa licita ainda a conversão da plataforma P-47, que estava no campo de Roncador - substituindo a P-36, que afundou no ano passado - e será adaptada para o campo de Marlim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.