Circulação de jornais impressos cai 0,9% no mercado mundial em 2012

Expansão na Ásia e estabilidade na América Latina compensaram retração na América do Norte

05 de junho de 2013 | 12h38

BANGKOK - A circulação de jornais em todo o mundo caiu 0,9% em 2012, como perdas na América do Norte e outras regiões quase completamente compensadas por ganhos na Ásia, de acordo com o mais recente levantamento da Associação Mundial de Jornais e Publishers.

O levantamento inclui dados de mais de 90% do mercado mundial de jornais. O estudo mostra que mais da metade dos adultos no mundo lê  jornais diários: 2,5 bilhões leem notícias na versão impressa e 600 milhões na versão digital. A queda da receita publicitária foi de 2% em relação ao anterior e de 22% em comparação a 2008.

Os dados mostram que as receitas de publicidade em jornais caíram a uma taxa mais rápida do que a circulação global. Isso ocorreu principalmente devido a perdas mais rápidas nos EUA, onde a publicidade impressa caiu 42% em relação a 2008, o que representa três quartos das perdas globais. Os pesquisadores atribuem esse grande declínio à "tradicional elevada dependência de anúncios classificados", que já migraram online.

América Latina: A circulação aumentou 0,1% em relação a 2011 e caíram 9,1% desde 2008. As receitas de publicidade subiram 9,1% em relação a 2011 e 37,6% desde 2008.

América do Norte: A circulação caiu 6,6% em relação ao ano de 2011 e  13% desde 2008. As receitas de publicidade caíram 7,6% em 1 ano e 42,1% em relação a 2008.

Europa Ocidental: A circulação diminuiu 5,3% em relação a 2011 e 24,8% em relação a 2008. As receitas de publicidade caíram 3,4% em relação a 2001 e 23,3% em relação a 2008.

Europa Oriental: A circulação caiu 8,2% em relação a 2011 e 27,4% desde 2008.As receitas de publicidade caíram 5,6% em relação a 2011 e 30,2% em relação a 2008.

Oriente Médio e Norte da África: A circulação caiu de 1,4% em relação a 2011 e 10,5% desde 2008. As receitas de publicidade aumentaram 2,3% em relação a 2001, mas diminuíram 22,7% em relação a 2008.

Ásia: A circulação aumentou 1,2% em relação a 2011 e 9,8% em relação ao 2008. As receitas de publicidade subiram 3,6% em relação a 2011 e 6,2% desde 2008.

Austrália e Nova Zelândia: A circulação cresceu 3,5% em relação a 2011 e 1% desde 2008. As receitas de publicidade caíram 8,3% em relação a 2011 e 24,9% em relação a 2008.

Eleição

O diretor de jornalismo do Grupo RBS, Marcelo Rech, foi eleito vice-presidente do Fórum Mundial de Editores (WEF). Erik Bjerager, editor-chefe e diretor do diário nacional dinamarquês Kristeligt Dagblad, foi reeleito presidente da aorganização.

A eleição, para um mandato de dois anos, ocorreu durante a Assembleia Geral Anual do WEF em Bangkok, Tailândia.

Em 1994, Bjerager tornou-se editor-chefe do Kristeligt Dagblad. Um ano depois, assumiu o cargo de diretor executivo do diário, e em 2001 passou a integrar o Conselho do WEF.

O vice-presidente da WEF, Marcelo Rech, já foi diretor-geral da divisão de jornal do grupo gaúcho RBS e editor-chefe do jornal Zero Hora. Mais de 1.500 profissionais da mídia, entre eles, editores, diretores executivos, jornais e executivos sênior de publicação participaram da reunião de cúpula anual da imprensa em Bangkok.

Tudo o que sabemos sobre:
Imprensajornaisjornalismopublishers

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.