Cisco: Carnevali era sócio da Mude

O vice-presidente mundial da Cisco Systems, Howard Charney, afirmou ontem, em entrevista por telefone, que a decisão de demitir Carlos Carnevali, ex-vice-presidente para a América Latina da empresa, foi motivada pelo desrespeito ao código de conduta da Cisco. "Temos uma investigação interna que ainda não está completa?, disse o executivo. "Conseguimos informação suficiente para mostrar que talvez ele tenha uma participação na Mude.? A Cisco anunciou em 22 de novembro o desligamento de Carnevali.Carnevali foi preso em outubro numa operação da Polícia Federal, em conjunto com a Receita e o Ministério Público, contra um esquema que teria causado prejuízo de R$ 1,5 bilhão em sonegação de impostos em cinco anos. Segundo Charney, não é crime Carnevali ter participação acionária na Mude, mas isso contraria as regras da empresa, que impede seus funcionários de assumirem posições que possam causar conflito de interesses. Segundo o Ministério Público Federal, foram praticados pelo menos oito crimes no caso Cisco: formação de quadrilha, falsificação de documentos, uso de documento falso, corrupção ativa e passiva, contrabando, sonegação de impostos, ocultação de patrimônio e interposição fraudulenta de importações. Existe ainda uma suspeita de evasão de divisas. Em 22 de novembro, a Justiça Federal acatou as denúncias do Ministério Público. Dezesseis dos 40 presos pela Polícia Federal, incluindo Carnevali, tornaram-se réus nos processos de importação fraudulenta. Em sua sentença, o juiz Luiz Renato Pacheco Chaves de Oliveira, da 4ª Vara Federal Criminal de São Paulo, escreveu que ?há indícios suficientes da autoria e materialidade? do delito. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.