Citi e JP Morgan se defendem no Senado dos EUA

Executivos do alto escalão do Citigroup e do J.P. Morgan Chase se defenderam das alegações de que ajudaram a enganar investidores com a estruturação de transações pré-pagas feitas para a gigante de energia Enron. "Embora estejamos ressentidos pela nossa relação com a Enron, nós agimos todas as vezes com boa fé", disse o diretor-gerente do Citigroup, David Bushnell, em depoimentos preparado previamente ao Subcomitê Permanente de Investigações do Senado dos EUA. Bushnell e o diretor-gerente do J.P. Morgan Chase, Jeffrey Dellapina, enfatizaram em seus depoimentos que os bancos que representam não foram responsáveis e não deram conselhos sobre as práticas contábeis de seus clientes. "A Enron nos informou que a Arthur Andersen considerou que o tratamento dado para as transações pré-pagas nos balanços era apropriado", disse Bushnell. O dinheiro resultante das transações pré-pagas foi contabilizado como caixa com operações e não como caixa com financiamento. A contabilidade das obrigações resultantes das transações foram lançadas como passivo administrado de preço-risco e não como dívidas. Os depoimentos dos executivos fazem parte das investigações do subcomitê sobre as suspeitas de que os dois bancos ajudaram a montar transações pré-pagas de energia para a Enron que induziram os investidores a pensar que as dívidas da companhia eram fluxo de caixa de suas operações. Em depoimento separado, o executivo Richard Caplan, diretor-gerente de derivativos de crédito do Salomon Smith Barney, divisão do Citigroup, defendeu as operações de swaps pré-pagas afirmando que essas transações são largamente usadas como instrumentos pela indústria de energia desde 1970. Também estão previstos para hoje depoimentos do investigador-chefe, Robert Roach, e de executivos seniores das principais agências de ratings do país.As ações do Citigroup e do JP Morgan estão em queda livre, hoje, na Bolsa de Nova York, Às 13 horas (de Brasília), as ações do Citigoup caíam 16,64%, e as do JP Morgan, 12,72%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.