Citibank prevê expansão de 5,3% do PIB do País no ano

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deverá fechar este ano com um crescimento de 5,3% em volume, segundo previsão do Citibank, face a uma expansão de 3,8% no ano passado. Em valores de mercado, a economia brasileira deverá somar no final de 2007 US$ 1,363 bilhão ou 27,74% sobre o valor de US$ 1,067 bilhão registrado no ano passado. As previsões do Citi consta de relatório distribuído hoje a clientes. Na moeda local, o PIB de 2007 deverá somar R$ 2,631 trilhões - um valor 13,3% maior que os R$ 2,322 trilhões bilhões registrados no ano passado.Neste cenário de expansão da economia acima de 5%, a taxa básica de juros, de acordo com os analistas do Citibank, deverá encerrar o ano em 11,3% ante 13,3% e uma inflação pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 4,3% ante 3,1% no ano passado. Para a mesma comparação, o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) deve mostrar um avanço de 7,6% no encerramento de 2007. No ano passado, a variação média dos preços por este indicador foi de 3,9%. Quando deflacionada pelo IPCA projetado para o fim deste ano, a taxa de juros real para 2007 tende a ficar em 7,4% ante 11,6% no encerramento de 2006.Setor externoO dólar, pelas projeções do Citibank, deverá chegar ao final deste ano cotado a R$ 1,93 ante R$ 2,18 por dólar no ano passado. Com essa cotação da moeda norte-americana, a balança comercial brasileira reunirá um superávit da ordem de US$ 38,9 bilhões, valor que na comparação com os US$ 46,1 bilhões no ano passado mostra uma queda de 15,61%. As importações deverão mostrar um avanço de 32,38%, saltando de US$ 91,4 bilhões para US$ 121 bilhões. Já as exportações devem se expandir à razão de 16,29%, um pouco mais da metade do crescimento das importações, de US$ 137,5 bilhões no ano passado para US$ 159,9 bilhões este ano.A conta corrente, de acordo com as previsões do Citibank, deverá fechar este ano com um superávit de US$ 2,3 bilhões, valor que mostra uma redução de 82,96% ante o saldo de US$ 13,5 bilhões no ano passado, caindo para 0,2% do PIB face uma taxa de 1,3% em 2006. A despeito da redução na conta corrente, a entrada de recursos no País em 2007 a título de Investimento Estrangeiro Direto (IED) deverá mostrar um avanço de 87,76% de US$ 18,8 bilhões para US% 35,3 bilhões.Para as reservas internacionais, os cálculos do Citibank apontam para uma cifra de US$ 180 bilhões, valor 109,79% maior do que os US$ 85,8 bilhões que formavam as reservas brasileiras no último ano. A dívida externa, por sua vez, deverá fechar este ano em US$ 195 bilhões, valor que apesar de mostrar um crescimento de 12,97% sobre o resultado de US$ 172,6 bilhões no ano passado, pode ser praticamente liquidado na sua totalidade pelo valor das reservas em caixa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.