Citibank tira Opportunity da gestão do fundo CVC

O Citibank destituiu, por justa causa, o Opportunity da gestão de seus negócios no Brasil, feitos por meio do fundo de investimentos CVC Opportunity internacional. A decisão põe um ponto final ao poder que o banqueiro Daniel Dantas manteve em operadoras de telefonia, como a Brasil Telecom, sempre em litígio com outros acionistas controladores. Depois de cinco anos, o Citi aliou-se aos fundos de pensão, que estavam do outro lado do ringue.A decisão vai ter um efeito em cascata em, pelo menos, seis empresas controladas por investidores do Citi no País. O que se prevê é uma substituição em série de executivos e até diretorias inteiras. A mudança mais profunda será mesmo no setor de telecomunicações brasileiro.O fundo CVC tem patrimônio de cerca de R$ 2 bilhões, e controla três operadoras: a Brasil Telecom, Telemig Celular e a Amazônia Celular. Além disso, ainda tem participação indireta na Telemar. As outras três empresas controladas pelo fundo são o Metrô do Rio, Sanepar e o terminal portuário Santos Brasil.Dantas está em Londres, tentando ainda afastar a Telecom Italia do grupo de controladores da Brasil Telecom. A mudança anunciada pelo Citi foi bem recebida pelo mercado financeiro, que vê a saída do Opportunity como uma chance de extinção dos imbróglios societários que se arrastam há anos em empresas como a Brasil Telecom.Nesta quinta-feira, as ações da companhia subiram 21,8% (papéis preferenciais). A operadora sempre carregou no mercado o estigma de ser uma empresa com sérios conflitos societários.Depois de tirar o Opportunity da gestão, a próxima etapa é realizar assembléias nas empresas controladas pelo fundo para substituir os representantes do banqueiro Daniel Dantas.Na quarta-feira, o banco americano informou às empresas na qual o fundo detém participação a intenção de trocar o grupo de Dantas pelo Citigroup Venture Capital International Brazil. Mas, apenas a Telemar, empresa onde a participação do fundo é minoritária, decidiu publicar um fato relevante sobre o assunto. Nesta quinta-feira, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) determinou que todas as outras empresas também divulgassem.Além disso, analistas acreditam que a volta da Telecom Itália ao bloco de controle da Brasil Telecom pode ficar mais fácil com a saída do antigo gestor. Desde 2002, o grupo italiano briga com o Opportunity para conseguir retornar ao centro das decisões na operadora brasileira.O Opportunity chegou a recorrer a Câmara Arbitral de Londres para impedir a Telecom Itália tenha poder de decisão na companhia. Nesta sexta-feira começam os depoimentos, mas a palavra final do júri só será conhecida em abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.