Citigroup e Morgan Stanley anunciam fusão de corretoras

Acordo combina a unidade de administração de riquezas do Morgan Stanley com a corretora Smith Barney

Danielle Chaves, da Agência Estado

13 de janeiro de 2009 | 20h40

O Morgan Stanley e o Citigroup anunciaram por meio de um comunicado que chegaram a um acordo definitivo para combinar a unidade de administração de riquezas do Morgan Stanley com a corretora Smith Barney, do Citi. O Morgan Stanley vai pagar US$ 2,7 bilhões pela Smith Barney e pelas unidades do Citi no Reino Unido, a Quilter, e na Austrália, a Smith Barney Australia, e terá 51% da corretora resultante da transação. A joint venture formada vai se chamar Morgan Stanley Smith Barney e não vai incluir o Citi Private Bank nem a Nikko Cordial Securities. A união dos quase 11 mil corretores da Smith Barney com os 8 mil do Morgan Stanley vai criar a maior corretora do mundo. O negócio deve ser fechado no terceiro trimestre deste ano. O co-presidente do Morgan Stanley, James Gorman, será o chairman da nova empresa, mas continuará desempenhando seu papel no Morgan. Charles Johnston, presidente do negócio de administração de riquezas do Citi nos EUA e Canadá, será o presidente da joint venture. A corretora combinada deverá economizar US$ 1,1 bilhão ao consolidar funções como tecnologia, operações, suporte de vendas, desenvolvimento de produtos e marketing. Depois do terceiro ano da joint venture, o Morgan Stanley e o Citigroup terão vários direitos de compra e venda, mas o Citi vai continuar controlando uma significativa participação na nova corretora até, no mínimo, o quinto ano da transação. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.