Citigroup pode demitir até 45 mil

As ações do Citigroup despencaram 6% ontem e, pela primeira vez desde 2002, encerraram o pregão da Bolsa de Nova York valendo menos de US$ 30. Os papéis fecharam a US$ 29,80. As perdas deveram-se à informação, divulgada pela rede de TV americana CNBC, de que o maior banco dos Estados Unidos vai demitir entre 17 mil e 45 mil funcionários. No total, a instituição tem cerca de 320 mil funcionários. A intenção de corte foi negada por uma porta-voz do grupo. "Estamos envolvidos em um processo de planejamento em antecipação ao nosso novo executivo-chefe, e nossos diretores estão estudando formas com as quais possamos nos tornar mais eficientes em termos de custos para posicionar nossos negócios em linha com a realidade econômica", disse a porta-voz do banco, Christina Pretto, em comunicado. Ela afirmou, no entanto, que "quaisquer relatos sobre um número específico de (demissões) não são factuais".O antigo executivo-chefe do Citigroup, Charles Prince, renunciou ao cargo no mês passado, em meio às elevadas baixas contábeis relacionadas às hipotecas nos Estados Unidos. Em abril, antes mesmo do estouro da crise imobiliária, o banco demitiu 17 mil funcionários, número que, à época, representava 5% de sua força de trabalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.