Citigroup resiste em levantar recursos com oferta de ações

Operação reembolsaria parte dos US$ 45 bilhões emprestados durante a crise, segundo rede CNBC

Danielle Chaves, da Agência Estado,

10 de dezembro de 2009 | 17h27

O Citigroup está tentando resistir às pressões para levantar cerca de US$ 20 bilhões com uma possível oferta de ações para reembolsar parte dos US$ 45 bilhões que tomou emprestado por meio do programa de alívio de ativos problemáticos (tarp), segundo a rede CNBC. Alguns acionistas do banco pedem um aumento de capital entre US$ 10 bilhões e US$ 15 bilhões e pessoas ligadas à instituição querem que sejam usados fundos internos para parte do pagamento.

 

A CNBC informou também que um oficial do departamento do tesouro dos EUA afirmou que as negociações do Citigroup com o governo sobre o pagamento estão bem encaminhadas e que um acordo é possível em breve ou logo depois dos feriados de fim de ano. O acordo teria uma base ampla e resolveria todas as questões entre o banco e os órgãos reguladores. O tesouro está pressionando o Citigroup a resolver todas as questões pendentes, o que pode adiar o acordo para depois das festas.

 

Segundo a CNBC, a possível oferta de ações pode ser anunciada até esta sexta-feira,10. O presidente do Citigroup, Richard Parsons, e o executivo-chefe, Vikram Pandit, conversaram ontem com grandes acionistas sobre um aumento de capital. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Citigroupoferta de açõeseconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.