Citigroup tem prejuízo de US$8,3 bi, se divide em dois

O Citigroup revelou nesta sexta-feira planos de se dividir em dois, como forma de lidar com os ativos problemáticos, e registrou prejuízo de 8,29 bilhões de dólares no quinto trimestre consecutivo de perdas. O banco também anunciou mais mudanças em seu conselho, que está perdendo Robert Rubin como diretor neste ano. Apesar disso, as ações do Citigroup avançavam na pré-abertura --em parte pela esperança com os planos do banco de se reestruturar e separar os bons ativos dos podres. "É um dos primeiros passos em direção a notícias positivas e o fim deste pesadelo... Nós temos, pela primeira vez em muito tempo, alguma razão para pensar positivamente", disse Michael Holland, fundador da Holland & Co., que administra 4 bilhões de dólares em ativos. O Citigroup teve 28,3 bilhões de dólares em baixas contábeis, o que elevou para mais de 92 bilhões de dólares as perdas totais com crédito em 15 meses. O prejuízo trimestral do banco equivale a 1,72 dólar por ação e se compara à perda de 9,8 bilhões de dólares, ou 1,99 dólar por ação, um ano antes. Os resultados incluem ganho após impostos de 3,9 bilhões de dólares pela venda das operações de banco de varejo na Alemanha. O Citigroup está se dividindo em duas unidades operacionais. Uma vai se concentrar nas operações bancárias e a outra irá se dedicar a corretagem, gestão de ativos e financiamento a consumidor e vai reunir ativos do grupo que precisam de gestão especial. Antecipado por algum tempo, esse passo é visto como um plano de "banco bom/banco ruim". No quarto trimestre, as receitas caíram 13 por cento, para 5,6 bilhões de dólares, refletindo o fraco mercado de capitais. (Por Dan Wilchins)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.