Citroën quer IPI único para elevar vendas no Brasil

O presidente da Citroën do Brasil, Sérgio Habib, disse hoje que as vendas da marca no Brasil vão crescer além do previsto caso seja modificada a cobrança do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) dos veículos, com a unificação das alíquotas. "O tamanho da nossa torta vai crescer", disse o executivo, durante a inauguração da nova sede da Citroën em São Paulo. Atualmente, a marca participa com 0,7% do mercado total brasileiro, o que representou em 2000 cerca de 9.100 veículos. Para este ano, a expectativa é duplicar o volume de vendas, passando para 18 mil unidades. Com a possível alteração do IPI, Habib acredita num aumento maior das vendas, sem revelar números, uma vez que a montadora não comercializa carros populares no País. "Se houver a unificação das alíquotas do IPI, o mercado brasileiro vai mudar muito, como mudou com a chegada do carro popular no início dos anos 90", afirmou. Ele lembrou que, na época, a Fiat apostou na nova tendência e conseguiu aumentar sua participação no mercado brasileiro de 10% para 22%. Novo modelo - A Citroën lançou hoje no Brasil o novo Xsara. O modelo, fabricado na França, foi totalmente reestilizado com a substituição de 1.362 itens dos 1.675. O carro deve ao consumidor com preço entre R$ 33,1 mil e R$ 35,7 mil, o equivalente a um aumento de 1,2% em relaço modelo antigo. Em parceria com a Peugeot, a Citroën inaugurou sua primeira fábrica no Brasil no início deste mês, em Porto Real (RJ). O investimento da montadora foi de US$ 600 mi. A fábrica vai produzir os modelos Peugeot 206 e Xsara Picasso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.