Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Claramente há demanda para papéis em reais, diz Joaquim Levy

Após dois dias de visitas a investidores estrangeiros em Boston e Nova York, organizadas pelo banco JP Morgan, o secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, não deu indicações firmes sobre uma eventual emissão de títulos da dívida brasileira no exterior denominada em reais, mas verificou que há um forte interesse por esses papéis por parte dos investidores estrangeiros. "Claramente há uma demanda para papéis em reais, inclusive vários bancos já fizeram emissões menores. É uma parte da equação que nós também estamos avaliando", afirmou Levy em entrevista à Agência Estado.Indagado se o momento é propício para o Brasil lançar bônus em reais no exterior, Levy respondeu: "O momento é bom para o Brasil e ponto". O cronograma original de financiamento externo do Brasil em 2005 prevê captação de US$ 6 bilhões, mas o país já pré-financiou US$ 1,5 bilhão. Levy disse que o mercado internacional neste momento está líquido e os papéis brasileiros estão muito "entourados" (tradução usada por ele para bullish) em relação ao Brasil. Indagado sobre o que achou da emissão do Banco do Brasil, de R$ 200 milhões de três anos, com cupom (juro nominal) zero, contagem de 365 dias corridos e juros lineares para o cálculo do rendimento implícito, Levy disse que "as características dessa captação representam um aprimoramento positivo". Embora a emissão do BB tenha sido pequena, na avaliação de Levy, essas inovações positivas começam naturalmente com montantes mais limitados.

Agencia Estado,

14 de dezembro de 2004 | 18h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.