bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Clarín: Cristina Kirchner pede investimentos da Petrobras

A candidata oficial à Presidência da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, teria pedido ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao presidente da Petrobras, José Gabrielli, uma associação da estatal com a energética Enarsa, criada por seu marido, Néstor Kirchner, no início de seu governo. Segundo o jornal Clarín, essa associação seria para projetos que envolvam a América do Sul, especialmente a Bolívia."De forma sutil, também propôs que Petrobras deveria acentuar seus investimentos diretos na Argentina", diz o jornal, completando que, "para quem acompanha os negócios petrolíferos, isso deve ser interpretado como um pedido para que a empresa destine mais recursos à exploração e produção de hidrocarbonetos, em lugar de adquirir o que já existe". Cristina deixou claro que a posição do governo argentino é mesmo contrária ao interesse da Petrobras de adquirir os ativos da Exxon Mobil no país."Para a provável sucessora de Néstor Kirchner, comprar outras empresas (como é o interesse da estatal brasileira de adquirir os ativos da Esso na Argentina), não pode ser visto como novos investimentos, já que se trata de posse de ativos", destacou o Clarín. O jornal ressalta as informações que vêm circulando no mercado há mais de um mês de que o governo argentino quer adquirir os ativos da Esso através da Enarsa em sociedade com a Petróleos de Venezuela S.A (PDVSA). Além destas concorrentes, a Chevron também estaria interessada no negócio, segundo comentou o Clarín.O jornal argentino também informou que o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, disse a Cristina que a instituição tem uma pasta de pedidos de créditos para aprovação destinados à Argentina no valor de US$ 3,3 bilhões, além de outros US$ 1,1 bi que já foram aprovados.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

05 de outubro de 2007 | 15h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.