Clarín critica realização de cúpula em Brasília

O príncipe herdeiro Abdullah Bin Abdul Aziz al Saud, da Arábia Saudita, não participará da cúpula dos países árabes e sul-americanos porque "não encontrou em Brasília, hotéis com o conforto necessário para hospedar-se junto com sua comitiva", segundo afirma o jornal Clarín, desta quinta-feira. A reportagem diz que a reunião corre o risco de ser um fracasso e que o "maior temor do Brasil é ter que juntar presidentes sul-americanos com apenas ministros árabes". Segundo o jornal, "uma certa inquietude invadiu as esferas diplomáticas brasileiras" porque, faltando apenas quatro dias para a cúpula, "só estava confirmada a presença de três chefes de Estado árabes: o presidente de Argélia, Abdelarziz Bouteflika; o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Rida Abbas; e o Emir de Catar, o Hamad Ben Al-Thani". O Clarín opina que "a infra-estrutura hoteleira da capital brasileira é insuficiente para hospedar tantos chefes de Estado: seriam 34 se todos decidissem assistir (12 sul-americanos mais 22 árabes). Mas, além disso, não há hotéis de luxo para receber ilustres visitantes do mundo árabe". Atribuindo a fontes, a reportagem comenta que "não há suíte real". O jornal destaca ainda que "não está claro por que a Chancelaria brasileira propôs fazer o encontro em Brasília. Outras cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, contam com uma estrutura hoteleira muito superior. Segundo o Clarín, comenta-se na Argentina que a idéia do Itamaraty foi vender a imagem da capital brasileira, que tem sido um destino pouco turístico, inclusive dentro do Brasil".

Agencia Estado,

05 Maio 2005 | 09h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.