Claro conquistou meta de cobertura nacional com leilão

O presidente da Claro, João Cox, considera que a empresa atingiu seu objetivo ao conquistar uma cobertura nacional com a compra de licenças no leilão de freqüências de terceira geração (3G) de telefonia celular. Segundo ele, fica a mensagem de que a companhia entrou no jogo "para vencer".Questionado se o valor desembolsado na aquisição das licenças ficou acima do previsto, ele respondeu que a empresa investiria o que fosse necessário para atingir sua meta. "A Claro é um jogador de longo prazo, e entende do negócio", comentou o executivo, que admitiu no entanto ter ficado surpreso com os ágios alcançados na licitação. Cox não revelou qual será o investimento da Claro neste novo segmento nem a estratégia de obtenção de recursos para o pagamento das licenças.Além de ter desembolsado o maior valor bruto no leilão de 3G, de R$ 1,4 bilhão, a Claro também respondeu pelo maior ágio médio contabilizado na disputa, de 103,63%, conforme dados da Anatel.De acordo com o presidente, finalizada a disputa de 3G, a Claro precisa agora fazer o dever de casa. Na avaliação do executivo, o cenário de concorrência após o leilão dependerá do preço dos aparelhos, das tarifas e do atendimento. "A Claro não pretende mudar muito sua estratégia, que está dando certo".NextelO executivo não quis comentar a atuação da Nextel, cuja postura agressiva no primeiro dia do leilão chamou atenção do mercado, apesar de a empresa não ter ganho nenhuma licença. Seus lances, conforme avaliação de especialistas, teriam puxado para cima os ágios pagos pelas concorrentes.2007Sobre as vendas de fim de ano, Cox comentou que houve um crescimento no último fim de semana, após um período de estabilidade, nos primeiros dez dias de dezembro em relação a novembro. Ele não quis revelar, porém, os números envolvidos.De janeiro a outubro deste ano, a base de clientes da Claro aumentou 27% em relação ao mesmo intervalo de 2006, passando de 22,5 milhões para 28,6 milhões. A empresa possui hoje uma participação de 25% do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.