Claro, Net e Embratel lançam pacotes conjuntos

Apesar de ainda serem separadas, companhias do mexicano Carlos Slim passam a atuar como uma única operadora

RODRIGO PETRY, RENATO CRUZ, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2011 | 03h06

Net, Claro e Embratel continuam sendo, pelo menos por enquanto, empresas separadas. Mas, cada vez mais, vão atuar como se fossem uma operadora só. Elas anunciaram ontem um plano para integração de redes e serviços. Os pacotes que combinam telefonia fixa e móvel, internet e TV paga (o chamado quadruple play) estarão disponíveis a partir de 15 de outubro.

Embratel e Claro são controladas pelo mexicano Carlos Slim, dono da América Móvil. A Embratel também está no bloco de controle da Net. O movimento acontece num momento em que a concorrência promete se tornar mais apertada. A operadora móvel Vivo está sendo absorvida pela fixa Telefônica, e a Oi, que tem todos os serviços, prepara-se para ter uma atuação mais forte, agora com a Portugal Telecom no bloco de controle.

Não foi à toa que Claro, Net e Embratel escolheram o slogan "você pediu, a gente fez primeiro" para a sua campanha: as empresas sabem que, daqui para a frente, a briga pelo mercado de telecomunicações exigirá pacotes convergentes. "A rede está sendo pensada como uma rede única", afirmou Carlos Zenteno, presidente da Claro.

As empresas anunciaram quatro opções de combo, unindo serviços de TV por assinatura da Net em alta definição, vídeo sob demanda, banda larga fixa, telefone fixo da Embratel com chamadas ilimitadas para outros fixos de qualquer operadora, além de Wi-Fi, internet 3G e celular da Claro. Os planos também incluem minutos para falar entre Net Fone (Embratel) e Claro e entre essa operadora móvel com as demais. Os preços são altos, de R$ 399,90 até R$ 699,90.

A Telefônica preferiu não comentar. Maxim Medvedovsky, diretor de Varejo da Oi, destacou que sua empresa é pioneira em pacotes que unem serviços fixos e móveis, desde 2005. "Os valores dos planos do concorrente são bastante exorbitantes", disse Medvedovsky. "Parece que são meio para inglês ver."

José Félix, presidente da Net, justificou o lançamento de planos sofisticados. "Vamos entrar em todas as classes sociais", disse o executivo. "Resolvemos iniciar com produtos de mais alta renda porque é mais fácil."

José Formoso, presidente da Embratel, destacou que existem outras plataformas de serviço das empresas, como a TV paga via satélite da Embratel e o celular pré-pago da Claro, que não entraram nos combos anunciados ontem. "Elas vão se encontrar em algum tempo."

As empresas estimam que a comercialização conjunta dos pacotes trará uma economia de 30% em relação à compra pelo consumidor separadamente. Os pacotes estarão disponíveis nas cidades e domicílios já atendidos por Net, Embratel e Claro.

Reorganização. O aguardado anúncio da reorganização societária ainda vai demorar. A integração societária no Brasil será informada "quando as ações ocorrerem", disse Félix. O mercado aguardava algum posicionamento, por conta da recente aprovação do PLC 116, que acaba com os impedimentos para que empresas do setor de TV a cabo tenham controle estrangeiro.

A única operação em curso é a compra do controle da Net, que ainda depende de um sinal verde da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Segundo Formoso, da Embratel, ainda não existe uma definição se as empresas continuarão separadas, e essa decisão será tomada pelos acionistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.