Classe média cai para 21% da população de SP, aponta Unicamp

O baixo crescimento econômico no período 1981-2002 teve forte impacto sobre a classe média paulistana. Estudo realizado pelo professor Waldir Quadros, do Instituto de Economia da Unicamp, mostra que a camada social formada por pessoas com rendimento acima de R$ 2,5 mil caiu de 28,39% dos moradores da Grande São Paulo em 1981 para 21% em 2002.Ainda mais dramático foi o aumento dos miseráveis (rendimento familiar inferior a R$ 500,00). Em 1981, eram 8,59% da população. Em 2002, 19,66%. ?A raiz dessa deterioração social está na estagnação econômica e no desemprego. Em São Paulo, particularmente, o cenário reflete a crise industrial na região mais industrializada do Brasil", explicou Quadros.Radiografia do PaísO estudo, primeiro volume da Série Estudos do Trabalho da Gelre, mostra que o encolhimento da classe média aconteceu de forma generalizada no Brasil. Ela correspondia a 42,5% da população em 1981 e caiu para 36% em 2002. "Nos anos 1980 houve estagnação do emprego. Mas foi nos anos 1990 que o desemprego explodiu no País", afirmou o professor.No mesmo período, o percentual do que o estudo chama de remediados e pobres (operários) se manteve praticamente estável, na casa dos 26% da PEA. Já o percentual de miseráveis na população economicamente ativa cresceu de 30,48% para 35,93% no período.Na avaliação de Quadros, a deterioração social não vai acabar se não houver crescimento sustentado, como no período de 1930 a 1980. "Nesse período, o crescimento brasileiro praticamente não tem similar no mundo", afirmou.PerspectivasPara sair da estagnação, segundo ele, o Brasil precisa de financiamento para investir. "O que temos disponível para financiar investimentos é muito inferior ao tamanho da nossa economia. Precisamos de crédito de longo prazo, juros menores, enfim, de um projeto nacional que ainda não existe. Os bancos comerciais precisam se envolver mais nos financiamentos", disse.Quadros descartou que o desemprego, principal fator da deterioração, tenha sido provocado pelos avanços tecnológicos e a automatização industrial. Ele argumenta que quando há crescimento econômico, perde-se uma vaga em um lugar, mas existe reposição, ainda que em outros setores da economia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.