Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Classificação de risco do Brasil deve melhorar em 2005

Uma nova rodada de elevações da nota de risco soberano do Brasil em 2005 pelas agências de ratings Moody´s, Standard & Poor´s (S&P) e Fitch deverá contribuir para uma queda adicional da taxa de risco País - taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação à capacidade de pagamento da dívida do País -, que estava hoje em 423 pontos base, alta de 5 pontos. A opinião é do gestor de fundos para mercados emergentes da Pacific Investment Company Management (Pimco), Mohamed El-Erian.Para ele, 2005 será um ano positivo para os mercados de títulos da dívida de países emergentes - neste ano, os títulos da dívida de emergentes devem registrar uma taxa de retorno entre 10% e 11%. "A minha expectativa é que o mercado de dívida de emergentes deverá ter um retorno em 2005 entre 7% a 9%, o que ainda é uma taxa de retorno bastante boa diante do cenário mundial, no qual se destaca o ciclo de aperto monetário nos Estado Unidos (alta dos juros)", previu El-Erian à Agência Estado. Para o gestor da Pimco, Brasil e Rússia serão os emergentes mais beneficiados com elevações dos ratings soberanos. No caso da Rússia, El-Erian espera que a S&P eleve o país para a categoria "investment grade", ampliando consideravelmente a base de investidores nos papéis russos."Quanto ao Brasil, todas as três agências de ratings deverão elevar o País em 2005", disse. De acordo com El-Erian, há ainda uma demanda forte por papéis de dívida de países emergentes entre os investidores globais, apesar do movimento de alta de juros norte-americanos. "Nós, aqui da Pimco, recebemos nos últimos dias mandatos de investidores para aplicar cerca de US$ 1 bilhão nos próximos três meses em títulos de dívida de países emergentes", informou El-Erian.

Agencia Estado,

10 de dezembro de 2004 | 14h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.