Classificação dos fundos de investimento

Existem diversas classificações para os fundos de investimento, mas o importante é o investidor entender os conceitos necessários para avaliar suas aplicações. De forma mais genérica, os fundos de investimento podem ser divididos em dois grandes grupos: renda fixa e renda variável. Desta classificação, de imediato surge uma terceira possibilidade: os fundos mistos, que misturam numa única carteira ativos de renda fixa e renda variável, também chamados de multicarteira ou multiportfólio.Os fundos de renda fixa concentram suas operações com títulos que pagam juros, sejam prefixados ou pós-fixados. Também é possível obter rendimento similar aos juros pós-fixados com operações nos mercados futuros e de derivativos. A responsabilidade de fiscalização dos fundos de renda fixa e de derivativos é do Banco Central.Fundos de açõesOs fundos de renda variável concentram suas operações em ativos que não sejam títulos de renda fixa, especialmente ações, ou qualquer outro ativo que tenha rendimento variável. São fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), embora também possam ter grande concentração de aplicação em renda fixa ou mesmo derivativos. Neste grupo, o nome do fundo deve sempre indicar qual o valor mobiliário que é o principal foco de investimento (principal ativo). Por isso, no caso de a carteira concentrar ações, será chamado fundo de investimento em ações.Os fundos de renda variável fiscalizados pela CVM não são classificados por risco. Os administradores costumam falar em perfil conservador, moderado e agressivo, a partir do critério crescente de risco, mas não é uma classificação formal.Existe uma variedade grande de tipos de fundos. Veja nos links abaixo mais dicas sobre sua classificação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.