Cliente bancário deve ficar atento com tarifas

As tarifas bancárias são elevadas e já representam boa parte da renda dos bancos. Para sacar, transferir, usar talão de cheque, obter extratos da conta corrente, entre outras operações, o consumidor paga de acordo com o seu perfil e seu pacote de tarifas. Para economizar no final do mês o cliente deve avaliar realmente quais são os serviços necessários e acompanhar, através dos extratos, as tarifas cobradas.E os bancos lucram bastante com a cobrança de tarifas sobre serviços. Um levantamento realizado pela consultoria Austin Asis registrou que, em junho deste ano, as tarifas já representam 92,7% das despesas com folha de pagamento das instituições financeiras. Os dados foram divulgados com base nos balanços divulgados pelos bancos neste primeiro semestre de 2002. Este dado mostra a evolução dos bancos na cobrança de tarifas. De acordo com a Austin Asis, em 2000 a receita das tarifas cobradas sobre serviços correspondia a 79,9% da folha de pagamento. No ano passado, as tarifas correspondiam a 84,6%.Cliente deve escolher serviços necessáriosA advogada da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste), Maria Inês Dolci, orienta o consumidor a só utilizar os serviços bancários realmente necessários. "O cliente bancário precisa estar atentos as tarifas cobradas e utilizar somente os serviços realmente necessários", afirma. Ela avisa que a escolha do plano de tarifa adequado pode significar uma boa economia no final do mês.Maria Inês ressalta que os bancos não costumam informar claramente aos consumidores quais são as tarifas cobradas. "Alguns contratos de bancos não são transparentes. Algumas instituições são resistentes em passar as informações de forma objetiva o conteúdo do pacote de tarifas", alerta. A advogada da Pro Teste lembra que o consumidor pode recusar serviços que não utiliza.Cobrança indevidaO consumidor também precisa ter o costume de conferir o extrato de sua conta e verificar as tarifas cobradas, avisa Maria Inês. Se for cobrada alguma tarifa fora do pacote de serviços contratados pelo consumidor, o banco terá que restituir o cliente em dobro. O artigo 42 do Código de Defesa do consumidor (CDC) estabelece que, em casos de cobranças indevidas, o consumidor deve ser restituído em dobro pelo valor cobrado.O consumidor que tiver dúvidas ou reclamações sobre cobrança de tarifas bancárias pode procurar os órgão de defesa do consumidor. Caso não consiga resolver o problema, pode apelar para a Justiça. Vale lembrar que, nas ações cujo valor da causa não ultrapasse 40 salários mínimos (R$ 8 mil), há o benefício do Juizado Especial Cível. Até 20 salários (R$ 4 mil), a presença do advogado fica dispensada. Acima destes valores, o processo é encaminhado à Justiça comum.Confira nos links abaixo a pesquisa completa dos custos das tarifas bancárias do Banco Central (BC). Nesta pesquisa, o consumidor tem informação sobre os preços máximos, mínimos e médios de cada tarifa, entre todas as existentes. Veja também as dicas da Cartilha do Finanças Pessoais sobre tarifas bancárias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.