Cliente recebe centavos por pane do Speedy

Por problema de maio, Telefônica dá abatimento de R$ 0,55 para quem tem plano Speedy 500

Renato Cruz, O Estadao de S.Paulo

26 de junho de 2009 | 00h00

A Telefônica começou a enviar as contas de julho, e muitos clientes estão decepcionados. Quando o serviço de banda larga Speedy sofreu uma pane em maio, a empresa anunciou que reembolsaria oito horas ao consumidor. Na prática, as pessoas estão vendo como isso é pouco. Quem tem o plano Speedy 500, por exemplo, e paga uma mensalidade de R$ 49,90, está recebendo uma indenização de R$ 0,55. Quem tem o Speedy 2 Mega, que custa R$ 78,85, recebeu R$ 0,88."Cumprimos as regras da regulamentação e do contrato", apontou a operadora. O Procon-SP achou pouco o que a empresa oferece, mas informou que ainda negocia com a empresa um abatimento maior. "É muito pouco pelo transtorno causado", disse Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste). "Devia ser levada em conta a reincidência. Existem vários pequenos cortes de serviço e, dependendo da área em que está, o consumidor ficou sem o serviço por muito mais tempo."A Telefônica enfrentou cinco grandes panes nos últimos 12 meses, sendo quatro do Speedy e uma da telefonia fixa. Pela primeira delas, em julho de 2008, os consumidores receberam um abatimento de cinco dias em suas contas, negociados pela empresa com o Procon. Para o problema do Speedy de abril, a Telefônica ofereceu 12 horas de ressarcimento e, pelo de maio, oito horas. Nos dois casos, não existe ainda acordo com o Procon.Desde segunda-feira, a Telefônica foi proibida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) de vender o Speedy, até que a empresa elabore um plano que garanta a oferta do serviço. "No meu entendimento, a Telefônica preferiu maximizar os lucros a investir para atender o cliente", afirmou Maria Inês. Na quarta-feira, Ruy Bottesi, presidente da Associação dos Engenheiros de Telecomunicações (AET), enviou uma carta ao Conselho Consultivo da Anatel, que se reúne hoje. No documento, a associação afirma que a "atual topologia da rede de dados (banda larga) já não atende à demanda crescente de tráfego". Os engenheiros apontam que a rede é muito complexa, com crescimento desordenado, que possui diversidade de fabricantes dos equipamentos com múltiplas configurações, e que não tem recebido investimento em nova topologia.A topologia é a forma como os elementos que formam a rede estão configurados. Em sua carta, a AET dá uma explicação técnica para os problemas do Speedy: "Vale salientar que a interrupção da comercialização dos serviços Speedy não garante a ocorrência de novas paralisações da rede de dados (banda larga), uma vez que, na atual topologia da rede, existe uma instabilidade crônica em função do consumo dos recursos de rede para troca de tabelas de endereçamento na camada 3." A camada 3 é responsável pelo encaminhamento dos pacotes de dados na rede, para que eles cheguem corretamente ao seu destino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.