Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Tarifa branca entra em vigor no ano que vem e pode reduzir a conta de luz

Associação de distribuidores cria faixas tarifárias que oscilam em função do horário de consumo: quem concentrar gasto de energia entre 22 horas de um dia e 17 horas do dia seguinte vai pagar menos; objetivo é desestimular uso no horário de pico

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 13h47

BRASÍLIA - Os consumidores que conseguirem mudar hábitos e deslocarem o consumo de energia poderão pagar uma conta de luz mais baixa em 2018. De acordo com a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), quem conseguir concentrar o consumo entre as 22 horas de um dia e as 17 horas do dia seguinte pode economizar.

A tarifa branca é um regime tarifário que considera o horário do consumo e o dia da semana para definir do preço da energia. Atualmente, o consumidor paga o mesmo valor pela energia em todos qualquer horário do dia, seja manhã, tarde, noite e madrugada.

++ Aneel anuncia que contas de luz de dezembro terão bandeira vermelha no 1º patamar

Inicialmente, apenas clientes com consumo médio mensal acima de 500 kWh poderão migrar. Novas ligações também poderão realizar a migração. A estimativa é que 5% dos consumidores possam fazer essa opção em janeiro, cerca de 4 milhões de unidades consumidoras. Entre eles, estão consumidores de renda mais alta, além de comércios e indústrias de menor porte.

++ Indústria perde competitividade com aumento da tarifa de energia

Ao avaliar a opção da tarifa branca, os clientes precisam ter cuidado, pois, dependendo do perfil do consumo, é melhor permanecer no regime atual. Quem não consegue deslocar o horário do banho da noite para a manhã, por exemplo, não deve fazer a migração, pois sua conta de luz pode ficar mais cara. Quem tem ar condicionado ou aquecedor, itens que consomem muito, deve mudar hábitos se quiser economizar.

Segurança. De acordo com o presidente da Abradee, Nelson Fonseca Leite, o objetivo da tarifa branca é desestimular o consumo no horário de pico, para dar mais segurança ao sistema elétrico. O executivo não deu uma estimativa sobre quanto o consumidor pode economizar com a migração. Para escritórios que funcionam em horário comercial, das 8h às 17 horas, por exemplo, a migração vale a pena.

Os valores da energia cobrada por cada empresa, bem como os horários de pico de cada uma, estão disponíveis no site da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “Cada consumidor deve fazer seus cálculos para verificar se vale a pena ou não aderir”, disse Leite.

A partir de janeiro de 2019, consumidores com consumo médio mensal acima de 250 kWh poderão migrar. Finalmente, a partir de janeiro de 2020, todos poderão migrar.

Mais conteúdo sobre:
Energia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.